Chiara Lubich sempre percebeu que Pasquale Foresi tinha um papel especial para o desenvolvimento do Movimento dos Focolares: o da encarnação do carisma da unidade, e por isso o considerava, junto a Igino Giordani, um seu cofundador.

Em 1949, ano em que conheceu Chiara e o Movimento, Pasquale Foresi era um jovem em busca. Havia sentido a vocação ao sacerdócio e frequentava o seminário de Pistoia e o Colégio Capranica, em Roma.

Ele conta: “Estava contente, satisfeito com a minha escolha. Porém, num determinado momento, não tive uma crise de fé, mas simplesmente repensei. (…). Surgiu então a dúvida se podia me direcionar ao sacerdócio com estas dificuldades interiores, e momentaneamente suspendi os estudos. Foi naqueles tempos que conheci o Movimento dos Focolares (…). Nas pessoas que participavam dele notei uma fé absoluta na Igreja católica e, ao mesmo tempo, uma vida evangélica radical. Entendi que aquele era o meu lugar e, muito em breve, a ideia do sacerdócio retornou”.

Tornou-se o primeiro focolarino sacerdote. Depois dele outros focolarinos perceberam este chamado especial, a serviço do Movimento.

Pasquale reconheceu, nos primeiros passos dados por Chiara Lubich e as suas companheiras, “uma bolha evangélica que irrompeu na Igreja” e, revestido do ministério sacerdotal, iniciou uma integração que o levou a contribuir de forma fundamental para o desenvolvimento do Movimento, como estreito colaborador da fundadora.

Com relação aos principais encargos confiados a ele, o próprio Foresi escreve: “Porque era sacerdote fui encarregado de manter os primeiros relacionamentos do Movimento dos Focolares com a Santa Sé. Outra função minha, com o passar do tempo, foi a de acompanhar o desenvolvimento do Movimento e colaborar, diretamente com Chiara, na redação dos vários estatutos. Pude também suscitar e seguir obras concretas a serviço do Movimento, como o Centro Mariápolis, para a formação dos membros, em Rocca di Papa, a Mariápolis permanente de Loppiano, a casa editora Città Nuova, em Roma, e outras obras que foram se multiplicando pelo mundo”.

Mas existe ainda outro aspecto característico da sua vida ao lado de Chiara, que talvez represente melhor que os outros a contribuição especial que ele deu ao desenvolvimento do Movimento. Escreveu: “Está na lógica das coisas que cada nova corrente de espiritualidade, todo grande carisma, traga incrementos culturais, em todos os níveis. Se olhamos a história constatamos que isto sempre aconteceu, com reflexos na arquitetura, na arte, nas estruturas eclesiais e sociais, nos vários setores do pensamento humano e especialmente na teologia”.

Por inúmeras vezes ele interveio, com a palavra e com a escrita, ao apresentar a teologia do carisma de Chiara na sua dimensão social e espiritual, salientando, com autoridade, a novidade que encerra, seja relativamente à vida que ao pensamento. Das suas páginas brota “uma perspicácia de análise, uma amplitude de visão e um otimismo no futuro, possíveis devido à sabedoria que nasce de uma forte e original experiência carismática, além dos abismos de luz e de amor, de humildade e fidelidade, que somente Deus pode escavar na vida de uma pessoa”.

(Do prefácio de “Colóquios“, perguntas e respostas sobre a espiritualidade da unidade)

Artigos

Pasquale Foresi: a Providência existe

Pasquale Foresi: a Providência existe

Uma inquietação que frequentemente aflige o coração humano é a questão do dinheiro, que nunca é suficiente. São muito tranquilizadoras as palavras do teólogo Foresi (1929-2015), cofundador dos Focolares, que nos fazem recordar a promessa do Pai de intervir e ajudar quem sabe olhar para o Céu.

[ler tudo]

Pasqual Foresi: dirigir o olhar para Maria

1
Pasqual Foresi: dirigir o olhar para Maria

Silêncio, humildade, mansidão… virtudes que parecem antiquadas. O teólogo Pasqual Foresi (1929-2015) lembra que elas são especialmente necessárias neste século, e convida-nos a olhar para a Virgem.

[ler tudo]

A escolha exclusiva de Chiara Lubich

A escolha exclusiva de Chiara Lubich

Escolher e amar Aquele que no ápice do Seu amor pela humanidade, grita na cruz: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?”. A profunda reflexão do teólogo Pasquale Foresi.

[ler tudo]
12345...»