Quadro di Gabriele Marsili: Cielo e terra

A espiritualidade expressa por Chiara Lubich foi muito cedo definida uma espiritualidade “coletiva”, ou melhor, “comunitária”, isto é, em vista da unidade, do “que todos sejam um” (Jo 17,21). Ela se articula em doze pontos fundamentais, encadeados um ao outro:

  1. Deus Amor
  2. A Vontade de Deus
  3. A Palavra
  4. O irmão
  5. O amor recíproco
  6. Jesus Eucaristia
  7. A Unidade
  8. Jesus abandonado
  9. Maria
  10. A Igreja
  11. O Espírito Santo
  12. Jesus no meio

Para Chiara Lubich, cada ponto da espiritualidade da unidade não é nunca a simples formulação de um projeto amadurecido em sua mente, uma reflexão ou um princípio de teologia espiritual.  É, mais que isso, uma espiritualidade que exige uma adesão imediata, decidida e concreta, algo que suscita a vida. No esplendor da história da Igreja, de seus indivíduos, de seus santos e comunidades, uma característica foi sempre constante: é a pessoa, individualmente, que se dirige a Deus. Isto resta verdadeiro também na espiritualidade da unidade, no sentido que a experiência que o indivíduo faz com Deus e em Deus é única e não se pode repetir. Todavia, a espiritualidade trazida pelo carisma da unidade, confiado pelo Espírito Santo a Chiara, acentua, ao lado desta indispensável experiência espiritual pessoal, a dimensão comunitária da vida cristã. Não é uma novidade em absoluto. O Evangelho é eminentemente comunitário. No passado houve experiências que sublinharam o aspecto coletivo da peregrinação para Deus, especialmente as espiritualidades nascidas daqueles que colocavam o amor como base da vida espiritual. É suficiente citar o exemplo de São Basilio e suas comunidades.

Chiara Lubich traz a “sua” espiritualidade, um modo original, comunitário, de ir a Deus: ser uma só coisa em Cristo, segundo as palavras do Evangelho de João: “Como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, estejam também eles em nós” (Jo 17,21). Em Chiara este torna-se um estilo de vida.

Uma “espiritualidade comunitária” havia sido preconizada por teólogos contemporâneos e é mencionada pelo Concílio Vaticano II. Karl Rahner, por exemplo, falando da espiritualidade da Igreja do futuro, a via «comunhão fraterna na qual seja possível fazer a mesma basilar experiência do Espírito». O Vaticano II ao orientar a sua atenção sobre a Igreja como corpo de Cristo e povo reunido no vínculo do amor da Trindade.

Se Santa Teresa d’Ávila, doutora da Igreja, falava de um «castelo interior», a espiritualidade da unidade contribui para edificar um «castelo exterior», onde Cristo esteja presente e ilumine todas as suas partes.

Fatos de vida

Evangelho vivido: tudo é nosso!

Evangelho vivido: tudo é nosso!

A Palavra de Vida deste mês nos lembra: “tudo é nosso”, especialmente os sofrimentos e as necessidades daqueles que estão ao nosso lado, se soubermos assumir os pesos do próximo.

[ler tudo]
Ir. Francesca: a coragem da misericórdia

Ir. Francesca: a coragem da misericórdia

2

A história da Ir. Francesca Vitulano, Franciscana dos Pobres, que esteve até poucos dias atrás na mariápolis permanente internacional de Loppiano (Florença, Itália) por ocasião do encontro das religiosas italianas dos Focolares e preparando-se para viajar para as Filipinas.

[ler tudo]

Artigos

Roma. Ensinar na periferia

Roma. Ensinar na periferia

No Natal as crianças são protagonistas. Mas nem todas são felizes e amparadas. Um livro editado por Città Nuova, “Crianças em apuros”, fala do sofrimento da infância e dos possíveis percursos de resgate.

[ler tudo]

Paz: banir do coração a violência

Paz: banir do coração a violência

O ano de 2017 começou com a notícia do enésimo atentado terrorista. De Istambul: “Queremos continuar a viver pela paz”. O convite do Papa Francisco a empenhar-se pela paz.

[ler tudo]

Maria, Rainha da Paz

Maria, Rainha da Paz

Concluímos o ano falando de Maria, a mãe do “Príncipe da Paz”, com um trecho de um discurso pronunciado por Chiara Lubich no período do verão de 1959, a um público de representantes de 27 países.

[ler tudo]
«...34567...»