comunità in MessicoRespondendo a uma jornalista que lhe perguntou como o Movimento era articulado, Chiara Lubich, a fundadora do Movimento dos Focolares, fez questão de precisar: «Antes de falar da estrutura do Movimento, dos seus setores, etc., gostaria de dizer que todos nós o vemos, antes de tudo, como uma entidade única, uma coisa só, uma realidade que atua em si mesma a mensagem que, depois, deve levar ao mundo: a unidade. Nós nos sentimos realmente nós mesmos quando somos vistos assim. Porque somos uma coisa só. João Paulo II nos vê desse modo, quando diz (considerando também o número de pessoas): “Vocês são um povo”. É isto, é exatamente assim o Movimento, um povo ou uma porção de Igreja. As diferenças vêm depois. Elas consistem em vocações diferentes uma da outra, em funções diferentes, para chegar ao mesmo fim».

Se é difícil quantificar o número de pessoas tocadas pelo ideal da unidade, inclusive através dos meios de comunicação, é verdade também que, com o passar dos anos, ao redor dos membros diretamente envolvidos, foram se desenvolvendo movimentos com uma larga difusão. Chiara Lubich explicava assim: «Sendo que cada pessoa, cada categoria no Movimento, possui um impulso a difundir essa vida, com a própria vida, espontaneamente, eu diria, formou-se um vasto circulo de pessoas ao redor dos membros mais empenhados, atraídas pelo seu testemunho». Foi assim que, ao redor dos focolarinos casados nasceu o Movimento Famílias Novas; ao redor do voluntários e das voluntárias desenvolveu-se Humanidade Nova; dos gen surgiram os Jovens por um Mundo Unido e o Movimento Juvenil pela Unidade. Dos sacerdotes diocesanos, membros dos Focolares, nasceu um amplo Movimento Sacerdotal; ao redor da vida das paróquias e das dioceses floresceram o Movimento Paroquial e o Movimento diocesano, animados por sacerdotes, seminaristas, religiosos e leigos, das várias ramificações do Movimento dos Focolares; enquanto os religiosos, movidos pelo ideal da unidade, suscitaram o Movimento dos religiosos e das religiosas, também no setor juvenil, com os gen-re.

“Parte essencial da nossa Obra – Chiara escreveu em 1979 – são os aderentes”. São cerca de dois milhões de pessoas que, embora não chamadas a uma particular vocação, procuram realizar o ideal da unidade em seu próprio ambiente. Partilham o espírito e as finalidades do Movimento e participam de suas atividades. Enfim, os simpatizantes estimam e amam ainda que somente algum aspecto do Movimento, sustentando-o com a oração e ajudas e todo tipo.

Este povo, difundido no mundo inteiro, ultrapassou os confins da Igreja católica e conta, no seu interno, com cristãos de outras Igrejas e comunidades eclesiais, seguidores de outras religiões e pessoas sem um referencial religioso. Cada um adere ao Movimento, partilhando o seu objetivo e espírito, na fidelidade à própria Igreja, fé e consciência.

Para explicar a composição multiforme desse povo, Chiara usava uma comparação eficaz. Recordava uma imagem de Nossa Senhora presente em muitas igrejas medievais. Com o seu manto Ela «envolve e protege castelos e igrejas, artesãos e monges, bispos e mães de família, ricos e pobres, enfim, uma cidade com todos os seus habitantes», e apresentando tal imagem como um modo de representar a maternidade universal de Maria, Chiara completava: «Pois bem, aqui existe algo semelhante. Ao invés de um grande afresco, o Movimento é uma cópia vivente daquela imagem, daquela realidade. De modo semelhante à Maria, esta Sua Obra é como um manto que reúne porções de Igreja e de humanidade, porque recebeu de Deus o dom de fazer deles uma família. É um dom, um carisma, que, como foi dito, faz com que a Obra se assemelhe a Maria, na sua função materna e unificadora».

Fatos de vida

Evangelho vivido: nos “apertos” da vida

Evangelho vivido: nos “apertos” da vida

Diante do desencorajamento e da sensação de impotência devidos a injustiças, suspensões, momentos de escuridão, restrições, imprevistos, Jesus pode iluminar o nosso caminho. Foi assim para os discípulos de Emaús. Ainda pode ser assim para cada um.

[ler tudo]
Burkina Fasso: o retorno de um filho

Burkina Fasso: o retorno de um filho

Para Félicité e Isaac era impensável a reconciliação com o filho que havia causado a falência da empresa da família e havia fugido sem deixar pistas. Mas, a misericórdia venceu o rancor.

[ler tudo]
Evangelho vivido: Nos infortúnios

Evangelho vivido: Nos infortúnios

1

A Palavra de vida deste mês nos convida a “reconciliar-nos com Deus”. Cada momento do dia pode se tornar uma ocasião para fazê-lo e para ajudar os outros a reencontrar um relacionamento com Ele.

[ler tudo]

Artigos

Fazenda da Esperança visita os Focolares

Fazenda da Esperança visita os Focolares

Domingo, 23 de abril, um grupo da “Fazenda”, proveniente de 14 países, em visita ao Centro internacional dos Focolares. Uma história de amizade, ligados pela espiritualidade da unidade.

[ler tudo]
12345...»