Mensa dopo catastrofe naturale

A ação social do Movimento dos Focolares, pela universalidade do seu carisma, concretiza-se em qualquer lugar e ambiente.

Ainda na década de quarenta, durante a Segunda Guerra Mundial, Chiara Lubich e suas primeiras companheiras, em Trento, sanaram feridas físicas e morais, deram o necessário aos pobres, recompuseram famílias e acolheram os “últimos” e os marginalizados da sociedade, doando-lhes escuta e solidariedade.

“Por outro lado, o Evangelho diz que quem quer seguir Jesus deve deixar tudo o que tem e dá-lo aos pobres… É o primeiro passo necessário para segui-lo”. Em 1962, Chiara explicou assim o germe daquela revolução que despertou, nas primeiras focolarinas, o desejo ardente de amar a Deus, e que se concretizou no amor ao próximo.

Digital Bridge: Roma - FontemDe fato, uma das primeiras intuições espirituais de Chiara Lubich, nos primórdios do Movimento, foi a compreensão de Deus como Amor. “Ao amor não se pode responder senão com o amor; e o amor a Deus, como resposta ao seu amor por nós, concretizou-se imediatamente em amor ao próximo. Quem quer que fosse a pessoa que encontrávamos na vida, tornava-se objeto da nossa atenção, dos nossos cuidados e esmeros”, assim ela escreveu em 1979, recordando aquela maravilhosa experiência.

Foram anos intensos, durante os quais as primeiras focolarinas não mediram esforços em percorrer a cidade de um lado ao outro, para levar ajuda a quem necessitava. Ainda hoje recorda-se que, naqueles anos, sentavam-se à mesa “um pobre e uma focolarina, um pobre e uma focolarina”.

No início, as circunstâncias da guerra fizeram com que as jovens direcionassem a sua ação principalmente aos mais pobres. Estavam convencidas de que atrás daqueles rostos enfraquecidos e repugnantes, escondia-se o rosto de Jesus. Com o crescimento da comunidade, cresciam também as possibilidades de ajuda e socorro a qualquer pessoa que sofria. Um trabalho que continuou por meses. Por causa desta pequena, grande revolução social, foi natural, em seguida, advertir a necessidade de dirigir-se não somente aos pobres, mas à humanidade inteira. “Havia quem precisava matar a fome, a sede, vestir-se, mas também quem precisava ser instruído, aconselhado, suportado, quem necessitava de oração”. Começava-se a perceber toda a potência que o carisma da unidade trazia consigo, gerando efeitos sobre os aspectos terrenos da existência.

Igino Giordani e Chiara LubichEsta vida, feita ao mesmo tempo de ação e contemplação, desde o seu surgimento atraiu pessoas de qualquer categoria social. Entre estas, Igino Giordani: jornalista, deputado e escritor, considerado cofundador do Movimento.

Giordani foi o primeiro a intuir a influência que o carisma teria nos diversos âmbitos da sociedade. Por causa dele, e depois dele, são hoje milhares as pessoas que encontraram a possibilidade de concretizar o amor evangélico em cada atividade humana, estando no meio de todos, nas casas, nos hospitais, nas escolas, nas repartições, nas fábricas, nas associações, no voluntariado; e também nos condomínios, nas ruas, assim como na política, na economia e nos teatros.

Em toda parte a estratégia é a mesma: atuar um projeto de fraternidade, que é o fim mas também o meio da ação; é a práxis, mas também a doutrina à qual é necessário sempre retornar, para valorizar e engajar o profissionalismo e as competências de cada pessoa que, articuladas em rede, podem circular para o bem comum.

E assim nasce uma comunidade que “é povo de Deus”, um povo que, por Ele, está imerso nos problemas de todos, pode carregar as feridas e as situações críticas presentes em cada ambiente, em cada cidade e bairro.

Nasce na sociedade a possibilidade de um diálogo entre pessoas que acreditam na contribuição preciosa que a diversidade pode dar à harmonia e à composição dos interesses, e que abre o caminho para soluções novas, concretas, e, na maioria das vezes, inesperadas.

Fatos de vida

Eleve o valor da aposta

Eleve o valor da aposta

3

Quando o jogo do amor por Deus e pelos irmãos torna-se um exercício cotidiano, no coração deixa de existir espaço para meias medidas.

[ler tudo]

Artigos

As “meninas do pão”

As “meninas do pão”

Era o ano de 1988 um grupo de jovens dos Focolares, se transformaram em padeiras e vendedoras na beira da estrada em frente à Mariápolis Ginetta (Brasil). Trinta anos depois, a Espiga Dourada é uma atividade florescente, que oferece produtos de qualidade, mas também humanidade, amor, partilha.

[ler tudo]

Fome e dispedício de alimentos

Fome e dispedício de alimentos

Um binômio inaceitável, que suscita indignação. Um grupo de pessoas da comunidade dos Focolares de Mumbai, na Índia, desceu ao lado de uma Ong que trabalha para recolher a comida que sobra de festas e banquetes e levá-la aos indigentes.

[ler tudo]

Vamos colorir a cidade

Vamos colorir a cidade

Em Gary, Indiana, uma das cidades mais pobres dos EUA, cem jovens de seis Estados colaboraram com as organizações locais em atividades sociais com moradores de rua, na distribuição de refeições, nos trabalhos para o desenvolvimento urbano. Uma experiência – para muitos deles – inesquecível, que abriu os olhos para as necessidades, mas também para a beleza da cidade que é, antes de tudo, comunidade.

[ler tudo]
12345...»