(Português) Simpaticamente, Chiara

Sorry, this page is currently not available in English. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

«Querida Daniela,
Oi! Sim, sou eu mesma!! Finalmente lhe escrevo! Como já lhe expliquei o motivo pelo qual escrevo é muito, muito “equívoco”: na verdade devo “eliminar” os inumeráveis papéis de carta que ganhei de presente nos meus 18 anos. Mas, brincadeiras à parte, estou muito feliz de lhe escrever, assim posso falar um pouco de mim!

Desde quando as minhas pernas começaram a dar uma de “loucas”, como você pode imaginar, a minha vida mudou radicalmente, mas não me lamento porque sei que existe quem está pior do que eu e, além do mais, vivo numa família maravilhosa. E não só, todos os meus amigos vêem me ver muitas vezes, ou então telefonam (imagine que Juliano me liga toda noite). Isso me torna feliz e o tempo passa rápido.

L. e eu continuamos muito amigos… estou feliz que tenha terminado assim, principalmente porque agora sinto ainda mais a importância de uma amizade verdadeira!
Mas agora chega de “confissões” (que nunca foram o meu forte).
E você? O que está aprontando? Alguém me contou de histórias ardentes e apaixonadas que acabaram tristemente (ainda bem…), de amizades perdidas, mas sem arrependimentos e de “inculturações” com a criançada… ok, você se diverte!

Agora me despeço, e me responda, “please”! Ah! Estava esquecendo: mando para você uma poesia que li num livro e gostei muito:
“O mais belo dos nossos mares é aquele onde não navegamos. O mais belo dos nossos filhos ainda não cresceu. O mais belo dos nossos dias nós ainda não vivemos. E o que eu queria lhe dizer de mais belo ainda não lhe disse!” Nazim Hikmet (poeta turco).

Se você achar bom pode mostrar essa carta para D. e A. Estes recados são para elas:
– para D.: por favor, não estude demais e não pense demais nos seus numerosos e intensos amores.
– para A.: espero que você esteja voltando para o caminho certo, filhinha, e que não o perca mais, pensando em amores maduros, diria quase apodrecidos…

Simpaticamente,
Chiara

Sassello, 1989

Retirado de “A clara luz de Chiara Luce” – Michele Zanzucchi – Ed. Cidade Nova
 

Chiara Luce Badano – Life, Love, Light

Comments are disabled.