Depois da agressão terrorista sofrida por Israel, do horror da violência desencadeada, da onda de medo que abalou os dois povos, da angústia pelos reféns e da suspensão pelo destino do povo de Gaza: notícias das comunidades dos Focolares na Terra Santa e um apelo mundial à oração e ao jejum pela paz, em 17 de outubro.

Deixamos as nossas casas e todos os cristãos se refugiaram nas igrejas”. Esta é a breve mensagem que recebemos esta manhã de alguns membros da comunidade dos Focolares em Gaza. São as últimas notícias que recebemos deles.

Segundo o padre Gabriel Romanelli, pároco da paróquia católica da Sagrada Família em Gaza, ainda vivem na Faixa 1017 cristãos e entre eles há vários aderentes do Movimento dos Focolares com quem a comunicação é cada vez mais esporádica e difícil.

E, apesar disso, nos últimos dias circulou uma mensagem de um deles para agradecer a todos pela proximidade e orações pela pequena comunidade de Gaza.

 “Vocês me deram a força para não me render ao mal”, escreve, “para não duvidar da misericórdia de Deus e acreditar que o bem existe. Em meio a todas as trevas, tem uma luz oculta. Se não pudermos rezar, rezem vocês. Nós oferecemos e assim é completo aquilo que fazemos. Queremos gritar ao mundo que desejamos a paz, que a violência gera violência e que a nossa confiança em Deus é grande. Mas se Deus nos chamasse para Si, tenham a certeza de que do céu continuaremos a rezar com vocês e a implorar com mais força para que tenha compaixão do seu povo e de vocês. Paz, segurança, unidade e fraternidade universal, é isso que desejamos e essa é a vontade de Deus e também nossa“.

Margaret Karram: em meio ao ódio, notícias da fraternidade

É preciso coragem para dizer isso hoje, quando o horror e a violência ocupam todo o espaço da mídia, mas estas não são as únicas notícias. Existem aquelas que são menos gritadas, mas que não podem ser silenciadas, como a rede mundial de oração que existe em todos os pontos da Terra, independentemente da crença religiosa e filiação, juntamente com gestos e palavras de fraternidade. Margaret Karram, presidente do Movimento dos Focolares, disse isso ontem no habitual briefing na Sala de Imprensa do Vaticano, fora do âmbito do Sínodo da Igreja Católica em curso, do qual participa como convidada especial.

Amigos judeus que conheço em Israel “, diz ela, “ligaram para mim, uma árabe-palestina, dizendo que estão preocupados com aqueles que vivem em Gaza. Para mim, é uma coisa muito bela. Todos conhecem as histórias negativas entre esses dois povos, mas muitas pessoas, muitas organizações trabalham para construir pontes e ninguém fala sobre isso. Só se fala em ódio, divisão, terrorismo. Criam-se imagens coletivas desses dois povos que não correspondem à realidade. Não podemos esquecer que ainda hoje muitas pessoas trabalham para construir pontes. É uma semente plantada, mesmo nesta hora difícil.”

Dos amigos judeus: formar uma comunidade de oração

Para confirmar isso, de uma cidade no distrito de Tel Aviv, um amigo judeu nos escreve:

Se estiverem em contato com os amigos dos Focolares em Gaza, enviem para eles o meu amor e proximidade. Espero que estejam todos a salvo. Hoje estou em casa com a minha família, as escolas estão fechadas e ficamos perto dos refúgios. Nos bate-papos aparecem continuamente apelos e ofertas de ajuda para as famílias que fugiram, para os soldados e suas famílias. Chegam também pedidos de ajuda para os enterros, para homenagear os mortos como devem ser honrados. Parece que todos os jovens foram chamados às armas e tememos por amigos e parentes. Tememos o que vem pela frente. Tento proteger meus filhos do medo, mas o nosso horror é insignificante em comparação com o que aconteceu com os nossos irmãos e irmãs no Sul. Penso nos meus amigos árabes em Israel, que correm para os refúgios como nós. Procuro rezar na mesma hora do meu amigo muçulmano, para que possamos ser uma comunidade de oração, embora muitas coisas nos dividam. Aprecio o desejo de vocês de estarem conosco, juntos, e as suas orações muito além das minhas palavras“.

O que podemos fazer?

Na conferência de imprensa, Margaret Karram exprimiu a dor e a angústia que sente pelo seu povo, por ambos os lados: “Eu me perguntei, o que estou fazendo aqui? Neste momento não deveria unicamente agir para promover a paz? Mas depois disse a mim mesma: também aqui posso associar-me ao convite de Papa Francisco e às orações de todos. Com estes irmãos e irmãs de todas as partes do mundo, podemos pedir a Deus o dom da paz. Acredito no poder da oração“. Ela depois falou da ação: “Chega de guerras!! VAMOS CONSTRUIR A PAZ!” que as crianças, adolescentes e jovens dos Focolares lançaram juntamente com a associação Living Peace [Viver a Paz]. Reúnem os seus coetâneos para rezar pela paz às 12:00 [meio-dia], todos os dias e em todos os fusos horários; depois propõem-se preencher o dia com gestos que construam a paz no coração de cada um e à sua volta; convidam a enviar mensagens de apoio às crianças, adolescentes e jovens da Terra Santa e os encorajam a pedir aos governantes de seus países que façam tudo o que puderem para obter a paz.

O Movimento dos Focolares também adere ao apelo do Patriarca Latino de Jerusalém, o Cardeal Pizzaballa, para um dia de jejum e oração pela paz, no dia 17 de outubro: “Que sejam organizados momentos de oração com adoração eucarística e o terço à Santíssima Virgem. As circunstâncias em muitas partes de nossas dioceses provavelmente não permitirão a reunião em grandes assembleias. Nas paróquias, comunidades religiosas e famílias, será possível se organizar com momentos simples e sóbrios de oração comum”.

Stefania Tanesini

12 Comments

  • que el Señor aliente la esperanza de todos los que están trabajando de alguna manera en construir y reconstruir relaciones de fraternidad

  • sono tornata dalla veglia di preghiera per la pace ,mi chiedo perché questi popoli non riescono a essere fratelli solo Dio può aprire il cuore .
    Prrghiamo

  • Ofrezco esta infinita impotencia y dolor que experimento frente a las masacres en la fe QUE LA PAZ es posible si la pedimos y obramos en consecuencia. Para Dios no hay imposibles.

  • Los pacíficos poseran la Tierra
    Es una profecía de Jesús
    Es la única revolución verdadera
    la verdadera justicia, libertad y Fraternidad
    un solo Dios Padre y todos hermanos

  • Dov’è Dio in questo momento? Continua la sua passione e morte in ogni persona e popolo che soffre e muore. Egli sulla sua croce si è sentito abbandonato da tutti… ma Egli non abbandona nessuno. Aggrappiamoci con la
    preghiera fiduciosa al suo amore che vuole la pace e la giustizia per tutti.

  • Vivoo particularmente com vocês este momento de terror, de sofrimento, de perdas e de angústias..oferecendo e rezando , Implorando ao Pai a paz para cada ❤️! O milagre da Paz!!!

  • Mi unisco a quanti soffrono e a quanti pregano per chiedere una cessazione immediata di ogni violenza e ritorno alla fraternità e al rispetto. Dono ogni imprevisto e fatica senza un lamento.

  • Grazie per queste notizie cosi’ incorraggianti. Siccome ho vissuto tanti anni in M.O e di questi 22 anni in Giordania, conosco molto bene la situazione della T.S. dei problemi, tensioni . Per dire il vero, sentendo, leggendo le notizie mi viene la rabbia, senso di impotenza…. Ma nello stesso tempo sto cercando di pregare, supplicare il cielo per un mondo di pace, x tutti in T.S.
    Grazie !!!

  • Grazie per quanto ci avete informato. siamo unite in preghiere e viviamo per tutti quanti stano vivendo questo momento doloroso della guerra. La Madonna vi protegera.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *