Com uma arma apontada na cabeça

 Sou médica ginecologista, mãe de seis filhos. Uma tarde, antes de participar de uma reunião de médicos, enquanto levava para casa um dos meus filhos menores, ele me disse: “Mamãe, sinto muitas saudades de você! O que seria de nós sem você?” Procurei logo tranqüilizá-lo.
Mais tarde, enquanto estacionava o carro na entrada da policlínica, três jovens armados me intimaram a descer. Naquele momento me parecia uma brincadeira. Mas, um dos jovens, apontando-me a arma no pescoço, dizia seriamente: “Se você não sair do carro, estouro todas as suas veias”. Saí, e enquanto isso um deles tomou a direção, me apercebi que estavam realmente me levando embora. As palavras de meu filho me martelavam o coração.
Encontrei-me face a face com Deus e com o ímpeto do coração lhe disse: “O que importa na vida? Amar-te importa”. E me recoloquei na Sua vontade daquele momento, por mais que fosse trágica e absurda.
Pensei que aqueles poderiam ser os meus últimos momentos e deveria vivê-los bem, somente no amor. Fui invadida por uma grande paz na alma. Procurei me interessar por eles como uma mãe. Eles queriam dinheiro e quando souberam que eu tinha seis crianças e que era médica, ficaram quietos. Depois disseram: “Não se preocupe, senhora, não vai lhe acontecer nada, você vai reencontrar logo o seu carro!”. A um certo momento, por uma divergência entre eles, começaram a se agredir, discutindo asperamente e ameaçando-se com a pistola. Fiquei com a cabeça baixa, evitando olhar e rezando por eles, que eram um pouco maiores que meus filhos… Finalmente pararam e me deixaram a pé, em meio a um campo, na zona rural. Caminhei durante vinte minutos procurando um caminho que me levasse até a rodovia e a um telefone: chamei meu marido para que viesse me buscar. A aventura terminou! No dia seguinte recuperei o carro: dentro dele estava a minha bolsa com os documentos, dinheiro, talão de cheques, gravador… e nenhum arranhão no automóvel!

T.N. – Brasil

de “I Fioretti di Chiara e dei Focolari” – San Paolo Editrice – Itália

Comments are disabled.