O homem pacífico não ignora a luta

Uma cidade que partisse do nada chegaria ao nada, movida por impulsos que levam à nulidade. Uma sociedade que partisse da cobiça por dinheiro levaria ao combate para conquistá-lo. Uma que partisse só do estômago terminaria num esgoto. Mas, a vida parte da vida.

A política é guiada pela justiça. Mas se fosse apenas justiça permaneceria estéril para aqueles cidadãos que fossem vencidos nas competições da existência. Se é o contrário aperfeiçoa-se com a caridade, e dessa autoridade faz-se serviço; um serviço realizado com respeito à pessoa humana e com um sentimento de débito para com a miséria.

Concebida assim a política sente-se responsável pelo bem de todos os cidadãos, inclusive dos últimos: não cessa de impedir o mal, de manter a ordem externa, mas esforça-se em suscitar o bem, com uma ordem diferente, tornando-se uma atividade supremamente benéfica.

A política, fora da lei de Deus, transforma-se em uma maldição para os administradores; na lei de Deus torna-se uma ajuda vigorosa para alcançar fins individuais, familiares, profissionais. E se executa a lei de Deus, edifica a cidade de Deus.

Nela a caridade exclui o egoísmo de manter-se à parte e dá a cada um o dever de assistir a comunidade, e vê o interesse público não como uma categoria externa, mas como interesse comum, no qual estão incluídos os destinos das respectivas famílias e pessoas. Chama-se, de fato, “bem comum”.

O homem pacífico não ignora a luta, o homem da caridade não ignora o ódio. Logo que sai da “cela do próprio eu” encontra o adversário. É um irmão, mas reduzido a inimigo. E com frequência recebe tanto mal pelo tanto que faz de bem. E a cada passo é instigado à vingança, e talvez por dez, dezesseis, vinte horas, nada mais faz do que viver dentro de estímulos de ambição e seduções de corrupção. Sim, porque o seu é só um combate contra a luxúria, a guerra e o ódio: mas combater é viver como sinal de contradição.

Igino Giordani, Le due città, Città Nuova, 1961.

Comments are disabled.