O jovens querem a paz

Como era o seu país, que situação você deixou?

Sempre vi a guerra na televisão, na Palestina, Líbano, Iraque… jamais imaginei que ela teria explodido na Síria, que eu teria sido lançado dentro de um filme de terror. Éramos “um arco-íris” onde existem todas as cores, de repente explodiu a guerra e todas as cores desapareceram: ficamos em branco e preto. O vizinho passou a ser olhado com suspeita, perdeu-se um grande patrimônio histórico, a paz, a convivência, a coexistência, a própria casa… fomos constrangidos a fugir, a perder o trabalho, os amigos; as pessoas distanciaram-se umas das outras. Depois de uma vida lado a lado nos vimos em trincheiras diferentes. Em todas as famílias há membros desaparecidos, raptados, órfãos, mortos.

Homs era uma cidade cheia de vida. Ouvíamos falar dos tiroteios em outras partes do país e eu pensava que era um exagero da TV, mas infelizmente a nossa cidade entrou na linha dos conflitos. Depois nós estávamos no meio dos tiroteios. Foi então que entendi que Homs também estava dentro da guerra.

O que quer dizer viver em guerra?

Significa que todo o passado desaparece de repente: a paz, a liberdade de andar sem medo. A Síria era um país seguro, ninguém perguntava ao outro de que religião era. Um amigo meu também morreu, a primeira pessoa que perdi na guerra. Era um amante da paz. As pessoas que morrem não são números: 30 mortos hoje, 50 ontem… Cada um deles tem um nome, tem um pai, uma mãe… quando eu estava na igreja, no funeral do meu amigo, chorei como nunca havia chorado antes. Quando o sacerdote disse: “O que Cristo nos diria agora? Para perdoar!”, houve um silêncio impressionante, só se escutavam os respiros. Todos responderam que devemos perdoar. Mas eu não conseguia. Fugi chorando, com a vontade de passar com o carro por cima de um dos assassinos. Mas depois refleti: “o que estou fazendo?”, disse a mim mesmo. Eu também vou matar alguém que será como o meu amigo? Dei marcha à ré e voltei para casa. Rezei: “Meu Deus, dá-me a paciência. Não devo matar, para evitar provocar o mal que eu sofri”.

O que você espera para o futuro da Síria?

Rever o país de antes, em paz. “Coloca a tua espada de lado e vive na paz”, esta deveria ser a mensagem transmitida por todas as religiões. Espero que essa guerra midiática convide os jovens à paz e não ao combate. Que os líderes religiosos deem uma mensagem de paz para que os jovens possam reconstruir a Síria.

Fonte: TV 2000Entrevista com Wael – 16 de outubro de 2012

2 Comments

  • I often wonder what is happening to our brothers, the Volunteers and zone delegates of Syria, particularly those with whom we used to meet during our yearly meeting at Castel Gandolfo.Let us know if we can be of further help. Our prayers are always with you.

  • Grazie della tua esperienza! Si rimane senza parole davanti ai crimini pensati e organizzati da forze esterne per interessi economici e di supremazia! Chiediamo insieme a voi che una forza ancora più grande, quella dell’Amore, tutto vinca!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *