Ubuntu: “eu sou porque nós somos”

Os Jovens por um Mundo Unido lançaram o projeto “Compartilhando com a África”, que deseja contribuir para que seja conhecido o valor que esse continente, com as suas especificidades e tradições, é para o mundo inteiro.

Ainda em dezembro de 2011, cerca de 200 jovens provenientes de vários países africanos reuniram-se com o objetivo de aprofundar o conhecimento de um projeto de fraternidade realizada, que continua desde os anos 1960, em Fontem, nos Camarões, e ver como dar a própria contribuição à fraternidade universal. Desde aquele momento surgiu “Compartilhando com a África”, que quer ajudar na formação de uma cultura nova, aberta à construção de um mundo unido, promovendo os valores que edificaram e formaram a sociedade do continente africano.

O projeto deseja ser um espaço de comunhão entre os jovens, não apenas desse continente, mas do mundo inteiro, e favorecer o intercâmbio de culturas, talentos, experiências de vida e desafios, acompanhado por ações concretas.

O primeiro passo prevê a participação na Escola de Inculturação, no próximo mês de maio, em Nairobi, Quênia, que terá como tema “A pessoa – Ubuntu – Eu sou porque nós somos”.

O “Ubuntu” é uma visão unificante do mundo, expressa por meio do provérbio zulu “Umuntu Ngumuntu Ngabantu” (“Uma pessoa é pessoa por intermédio das outras pessoas”). Este conceito é uma concepção da vida que encontra-se na base das sociedades africanas, e que contem em si o respeito, a partilha, a confiança, o altruísmo e a colaboração. Conceitua o homem enquanto “comunhão”, define a pessoa em analogia às suas relações com os outros. Uma pessoa com Ubuntu é aberta, disponível aos outros, solidária, sabe que é parte de um todo maior. Quando fala-se de Ubuntu entende-se um sentido mais forte de unidade nas relações sociais, para ser disponíveis a encontrar as diferenças presentes na humanidade do outro e enriquecer a nossa: “eu sou porque nós somos”.

O projeto “Compartilhando com a África” prevê que os participantes da Escola de Inculturação, além de aprofundar o Ubuntu, tenham a possibilidade de desenvolver diversas atividades sociais juntamente aos JMU do Quênia: conhecer e interagir com a tribo Samburu, mas também trabalhar pelas crianças de uma favela de Nairobi e pelos frequentadores de um “centro de alimentação”, sempre na periferia dessa imensa cidade.

3 Comments

  • Del corso su UBUNTU ne abbiamo bisogno noi occidentali sazi e ingordi! 🙂
    Gli africani, i keniani lo conoscono bene …!

  • “Una persona es persona a través de las otras personas”.
    Nos unimos desde Rosario, organizando la Semana Mundo Unido desde esta perspectiva. Gracias!
    Un saludo grande de los Jóvenes por un Mundo Unido de Rosario, Argentina!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *