Brasil: A fraternidade em ação

“Periferias existenciais” foram as duas palavras mais ouvidas no seminário que, de 21 a 24 de outubro, reuniu representantes de mais de 40 organizações sociais nascidas do carisma da unidade dos Focolares, do Brasil e de outros 12 países da América Latina.

Pela troca de experiências, o encontro com as periferias pedido continuamente pelo Papa Francisco, está em ação onde o tráfico semeia morte principalmente entre os jovens; onde as crianças ainda em tenra idade vivem nas ruas; onde, por falta de subsistência, as pessoas migram do campo para as cidades, multiplicando as favelas. E pode-se continuar. As histórias contadas por quem trabalha nas mais diferentes organizações de resgate social são impressionantes, apesar das enormes dificuldades pela escassez de recursos materiais e humanos.

Pela exigência de continuar esta troca de experiências e o diálogo sobre as problemáticas e os recursos, surgiu a ideia de trabalhar em rede. As organizações sociais dos países de língua espanhola lançaram o site www.sumafraternidad.org para criar uma rede que tende a estender-se, também nas outras expressões dos Focolares nascidas na economia, na política, na educação, no direito, na família, no mundo juvenil. Sumafraternidad.org é muito mais que uma simples plataforma crowdfunding – afirmam os criadores do suporte digital. Por meio deste instrumento, queremos criar vínculos que nos transformem”. O objetivo é ter uma maior incidência na transformação social.

O seminário “A fraternidade em ação: fundamento para a coesão social no século XXI” focalizou o panorama sociopolítico do continente até aos nossos dias atingido pelo deficit de coesão social que provoca exclusão e profundas desigualdades, como declarou o cientista político argentino Juan Esteban Belderrain. Com a uruguaia Susana Nuin, da Comissão das comunicações do Celam, foram aprofundados os aspetos da doutrina social da Igreja em relação com a problemática latino-americana.

O paralelo com as potencialidades de transformação do carisma da unidade presente no pensamento de Chiara Lubich evidenciou o “fazer-se um”, definido pela socióloga brasileira Vera Araujo como o método evangélico indispensável para construir relações; o horizonte da fraternidade que impõe a diminuição das desigualdades; Jesus crucificado e abandonado “que se identificou com todos os crucifixos da terra” e “abre sempre novos espaços de ressurreição”. “É este grito – disse o Padre Vilson Groh, há anos empenhado no resgate dos jovens das periferias – que nos faz penetrar no abandono dos excluídos, faz-nos capazes de entrar em comunhão com eles e não permite que nos habituemos com as injustiças sociais”.

De muitas vozes emergiram interrogativos inquietantes: “Será que não consideramos normal que no continente continue a existir fortes desequilíbrios sociais? Não fizemos calar a nossa consciência, porque já existe quem está empenhado em primeira pessoa na solução destes dramas?

Foi um forte apelo para uma nova tomada de responsabilidade coletiva.

No comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *