Bolívia, Centro Rincão de Luz

20140609-02Aulas de reforço para 60 crianças e adolescentes, uma refeição por dia para todos, oficinas de formação para pais e filhos, bolsas de estudo para os jovens e atenção a uma melhora das condições de vida das famílias do bairro, através da concessão de crédito para o início ou melhoramento de pequenas atividades produtivas.

Sinteticamente, este é o projeto do Centro Rincão de Luz, no seu terceiro ano de vida, administrado pela Associação Unisol, em colaboração com as Associações AMU (Ação Mundo Unido) e AFN (Ação por Famílias Novas). Para verificar o andamento do projeto e estudar juntos as novas ações de desenvolvimento, Anna Marenchino, do setor de projetos da AMU esteve em Cochabamba, na Bolívia.

Entre as pessoas que ela encontrou durante a viagem estava Mari Cruz, a nova diretora didática do Centro. Quando criança ela mesma o frequentou, quando não tinha ainda a estrutura acolhedora de hoje, e pode concluir os estudos graças ao “sustento à distância” de Famílias Novas. Vê-la hoje naquele local, coordenando a parte didática, pode ser um incentivo a todas as crianças e famílias, para que acreditem que uma vida melhor é possível.

«Tive que suportar muitos sofrimentos na minha vida – conta Mari Cruz -. Quando era menina meu pai bebia e eu sofria muito em vê-lo assim. Não era violento conosco, mas duro. Lembro que para nos punir nos mandava andar ao redor da casa, de quatro até sete da manhã, quando íamos para a escola.

O Centro era uma referência para mim. Eu era ajudada nas matérias em que tinha mais dificuldade, tanto que cheguei a estar entre as melhores da turma. Além disso, davam-me a possibilidade de estudar, com uma ajuda financeira para pagar a escola.

20140609-01Alguns anos depois nós nos transferimos para longe do Centro. Meu pai estava melhor e nós todos trabalhávamos com ele, nos fins de semana, para consertar a nossa casa. No início foi difícil porque não tínhamos nada em casa: luz, água, banheiro. Muitas vezes tínhamos só pão e cebola para o almoço. Mas não nos lamentávamos. Olhávamos para o papai e para lhe dar tranquilidade dizíamos: não se preocupe, vá trabalhar e assim amanhã comeremos frango!

Nos momentos mais duros eu encontrei a coragem de recomeçar graças a algumas pessoas do Movimento dos Focolares que, além de terem me ajudado por meio do Centro, sustentaram-me para que pudesse reencontrar a confiança em mim mesma e nos outros.

Há alguns anos comecei a ensinar no Centro Rincão de Luz, mas em dezembro, quando pediram que eu me tornasse a nova diretora didática eu nem podia acreditar. Tinham mesmo pensado em mim? Logo disse que sim, porque quero me empenhar para dar uma oportunidade a essas crianças, como eu tive.

Hoje sou realmente feliz, cada experiência, alegre ou triste, tornou-me mais forte e me ensinou a compreender profundamente as outras pessoas, porque senti no meu coração os seus sofrimentos. Posso dizer às crianças e suas famílias: coragem, é possível mudar!»

Fonte: Amu Notícias n.2/2014

2 Comments

  • Gracias Maricruz, muy rica y esperanzadora tu experiencia, mueve muchos sentimientos, pero sobretodo descubrir la riqueza que se desarrolla cuando el sufrimiento es bien asumido un ejemplo hermana! Una vida que se transforma en LUZ para ti y para los que te rodean! Bendiciones!!!

  • i salute of you sir because you very kind in a children so that, you the best sir..i learn about you say about the children ))):

    • Deixe uma resposta

      O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *