A bênção da vida longa

20140930-01No dia 28 de setembro, na Praça de São Pedro, o Papa Francisco esteve com os anciãos e os avós, no primeiro dia internacional dedicado à terceira idade, promovido pelo Pontifício Conselho para a Família. O encontro, intitulado: “A bênção da vida longa”, coincidiu com o Dia de Orações para o Sínodo sobre a Família, inspirado nos inúmeros discursos do Papa que várias vezes ressaltou a tragédia da “cultura do desperdício”, típica “de uma sociedade que não cuida dos anciãos, “descartando-os” com atitudes que contêm o conceito da eutanásia”.

Agradeço de maneira especial a presença do Papa Emérito Bento XVI. Eu disse tantas vezes que gostaria que Ele habitasse aqui no Vaticano porque a sua presença é como ter um avó sábio em casa. Obrigado” – Palavras do Papa Francisco dirigidas ao Papa emérito Bento XVI, no encontro com os idosos, esta manhã na Praça de S. Pedro.

No seu discurso o Santo Padre recordou que os cristãos juntamente com todos os homens e mulheres de boa vontade são chamados a construir com paciência uma sociedade diversa, mais acolhedora, mais humana, mais inclusiva. E lembrou que um povo que não cuida dos seus idosos, dos seus avós e sobretudo os maltrata, é um povo sem futuro, pois que está privado de memória, vive separado das próprias raízes. Cabe portanto aos cristãos, manterem viva estas raízes familiares.

O encontro foi uma oportunidade para reafirmar que, como havia dito o arcebispo Vicenzo Paglia, presidente do Conselho Pontifício para a Família, «a velhice não é um naufrágio, mas uma vocação: prolongaram-se os anos de vida, mas sobre este assunto não foi desenvolvida uma reflexão adequada, nem na política, nem na economia, nem na sociedade e muito menos na cultura».

20140930-02«Deve-se repensar a velhice e também deve ser reconsiderado o compromisso dos idosos no mundo, assim como o da Igreja para com eles. Além de todos os aspectos civis, há uma cultura que os idosos podem transmitir, com uma particular atenção em não conceber o enfraquecimento da vida como a tragédia final, mas como um testemunho da esperança na vida após a morte».

O evento de 28 de setembro situa-se no contexto do Dia de Orações para o Sínodo sobre a Família, vista como “espaço fundamental e primário, onde um idoso pode viver dentro de um conjunto de relações que o sustentam e que por sua vez é chamado a animar e enriquecer. Os idosos não são apenas objeto de atenção e cuidados, mas são também os protagonistas de uma nova perspectiva de vida”.

 

No comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *