PasqualeForesi_Chiara_Lubich_IginoGiordani
Foto CSC Media

Um grande número de pessoas, inclusive de outros países da Europa, chegou a Rocca di Papa (Roma), para a última saudação a Pasquale Foresi. Para não falar dos incontáveis acessos streaming, um testemunho da estima e do reconhecimento por esta figura de relevo dos Focolares.

Padre Foresi contribuiu muito para o desenvolvimento do Movimento, desde quando Chiara Lubich desejou tê-lo ao seu lado, ainda no início, definindo-o como cofundador, juntamente com Igino Giordani. Agora, todos três – Lubich – Giordani – Foresi – repousam na pequena capela do Centro Internacional, sinal visível de uma tríade que, recomposta no céu, continua a sustentar todos os que se empenham no caminho da unidade que desabrocha do carisma de Chiara.

Pasquale nasceu em Livorno, em 1929. Com apenas 14 anos, para “prestar algum serviço à Itália”, como deixa escrito, foge durante a noite para unir-se aos grupos da Resistência que lutam por uma nova Itália. É naquele período que começa a aflorar nele a ideia do sacerdócio.

Voltando para casa, entra no seminário diocesano de Pistoia (para aonde a sua família se havia transferido) e depois vai para o Colégio Capranica, em Roma, para frequentar a Universidade Gregoriana. Mas aquela vida parece não satisfazê-lo completamente.

PasqualeForesi_IginoGiordani
Foto CSC Media

Entretanto o seu pai, Palmiro, deputado no Parlamento italiano, conhece Igino Giordani, que, por sua vez, apresenta-o a Chiara Lubich. Profundamente tocado pelo radicalismo evangélico daquela jovem de Trento, o deputado Foresi deseja que ela conheça o seu filho, que ele sabia estar em busca de um cristianismo autêntico. É feito o convite era para ir a Pistoia a fim de encontrar a elite católica local. Não podendo ir pessoalmente, Chiara envia Graziella De Luca, uma de suas primeiras companheiras, que por um engano chega em Pistoia no dia seguinte ao que estava marcado.

Foi Pasquale que a recebeu na residência Foresi. Por nada interessado em conhecê-la, por pura cortesia oferece-se para acompanhá-la até um sacerdote que teria vindo ao encontro no dia anterior. No caminho, sempre para não ser deseducado, dirige a ela algumas perguntas acerca da sua experiência espiritual, o que o deixa profundamente tocado, a ponto de expressar o desejo de conhecer Chiara. No Natal de 1949 Pasquale passa alguns dias em Trento: é um encontro verdadeiramente fulgurante para ele, que toma a decisão de ir morar no primeiro focolare masculino de Roma. Lá encontra a confirmação de sua vocação ao focolare – são palavras suas -: «não era entrar num instituto religioso mais belo e mais santo do que os outros, mas era fazer parte de uma revolução cristã religiosa e civil, que teria renovado a Igreja e a humanidade».

PasqualeForesi_con giovani
Foto CSC Media

Chiara percebe em Pasquale uma feição muito especial e o convida a dividir com ela a direção do Movimento.

Com a sua doação a Deus no focolare, Pasquale vê completamente saciada a sua sede de radicalismo e sente renascer o chamado ao sacerdócio. A sua missão torna-se ainda mais específica. Pelo seu profundo conhecimento da teologia, Pasquale Foresi sabe reconhecer toda a força doutrinal contida nas intuições de Chiara e é interlocutor qualificado nas relações com a Igreja, especialmente quando o nascente Movimento é estudado pelo Santo Ofício.

Mas a maior incumbência de Pe. Foresi é a da “concretização”, ou seja, ajudar Chiara a realizar, em obras, aquilo que o carisma da unidade deu a ela: a pequena cidade-testemunho de Loppiano, nos arredores de Florença (Itália), o grupo editorial Città Nuova, o Instituto Universitário Sophia, fundado em 2007, em Loppiano.

«Em um dado momento – ele mesmo conta – tive a impressão de ter errado tudo na minha vida e, especialmente, a impressão de que aquelas coisas positivas para as quais eu poderia ter contribuído, eram minhas e não de Deus». A sua é uma provação espiritual que Deus permite aos grandes no espírito, para uma profunda purificação e um desapego de tudo o que não é Ele mesmo. É precisamente durante esta provação espiritual, que parece comprometer inclusive a sua saúde, que alcançam maior desenvolvimento as inúmeras obras que Chiara vê realizar-se, tendo ao seu lado Pe. Foresi na função de copresidente.

Suas obras, Teologia da Socialidade e Conversações com o Focolarinos, possuem um grande espessor sapiencial e são fontes de inspiração inclusive para outros autores do Movimento.

Após a morte de Chiara foi determinante a serena contribuição de Pe. Foresi na Assembleia Geral que elegeria a primeira presidente que iria suceder a fundadora.

Obrigado, Pe. Foresi!

1 Comment

  • Estou profundamento tocado pela descoberta desse movimento, não o conhecia, perdoem-me a ignorância, espero poder contribuir com ele, intensamente, com o resto de vida que Ele me reservou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.