Cuba se prepara para receber Francisco


Plaza de la Revolución

Praça da Revolução e monumento José Martí

Há uma grande expectativa na Ilha para a visita do primeiro Papa nascido na América Latina, prevista para os dias 19 a 23 de setembro. Certamente uma ansiedade que se exprime de muitas maneiras, segundo a consciência e o conhecimento de quem é o Papa e o que ele representa. Perguntando às pessoas, nas ruas, as respostas são as mais variadas: “Acredito que seja uma pessoa importante, e espero que sinta-se em casa conosco”; “Esperamos que a sua visita traga benefícios para o povo”; “Parece um sonho! Sentimo-nos privilegiados!”; “É uma benção para este pequeno povo, de grande coração, receber três papas em apenas 13 anos”. Com efeito, apenas Cuba e Brasil podem se vangloriar desse primado. E muitos cubanos não escondem o orgulho pela terceira visita de um pontífice, sejam eles crentes ou não.

Os trabalhos de decoração já estão em andamento nas ruas e nas fachadas dos edifícios de Havana, que estão no itinerário previsto. Foram remodeladas especialmente as da famosa “Praça da Revolução José Martí”, onde o Papa Francisco celebrará a Missa. Da mesma forma na cidade de Holguín, nunca antes visitada por um Papa, no Santuário Nacional da Virgem da Caridade do Cobre, e também em Santiago de Cuba, segunda cidade do país, na parte oriental da Ilha, onde foram concluídas as restaurações da bela e histórica catedral (1522).

Igreja Católica e Estado. Com o triunfo de “La Rivolución” (1959), a partir de 1961 os relacionamentos entre essas duas realidades foram sempre difíceis e traumáticos. “O pensamento marxista derivado do materialismo dialético, que motivou os jovens rebeldes do governo revolucionário, no final dos anos 60, levou ao secularismo”[1].
Durante o Primeiro Congresso de Educação e Cultura (1971) foram colocadas as bases para a secularização da sociedade cubana, impondo como doutrina oficial do estado o marxismo ortodoxo, “eixo diretor do ensino infantil, médio e universitário”. Na Constituição de 1976 foram regulamentadas as atividades religiosas e as pessoas que professavam uma fé foram excluídas do Partido Comunista Cubano (PCC).
Durante a década de 1980 o controle do regime foi um pouco aliviado, inclusive pela “participação de sacerdotes católicos em diversos movimentos de libertação na América Latina, nas guerrilhas de El Salvador, Honduras e Guatemala”, além de que pela visita, entre outros, de personalidades religiosas do porte de Madre Teresa de Calcutá, do Grã-rabino Israel Meir Lau e dos membros da Conferência Episcopal Latino-americana (CELAM).

No IV Congresso do PCC (1991) abriu-se a participação no único partido político também aos crentes. De relevo as importantes e históricas visitas de João Paulo II (1998) e de Bento XVI (2012), que assinalaram outros passos importantes rumo à reconciliação e ao abrandamento, que dão esperança à já próxima visita do Papa Francisco.

Cuba_02

O Santuário nacional de “La Vírgen della Caridad, del Cobre”

Degelo entre Havana e Washington. Por mais que o Papa Francisco procure minimizar o seu papel no melhoramento das relações entre os dois países, seja Barack Obama que Raúl Castro o reconhecem, com gratidão. No dia 20 de julho foram reabertas as embaixadas em ambos os países e está prevista a ida do Secretário de Estado americano, John Carry, no dia 14 de agosto próximo, para a inauguração oficial da embaixada americana. Sabe-se que é necessária ainda a aprovação por parte do Congresso americano e, não por acaso, após a visita a Cuba o Pontífice irá aos Estados Unidos, para o 8º Encontro Mundial das Famílias, que acontecerá em Filadélfia, após ter passado por Washington e Nova Iorque. Será o primeiro Papa a falar no Congresso dos Estados Unidos. Numa entrevista dada aos muitos jornalistas que estavam no avião que o levava de volta a Roma, depois da intensa viagem a três países latino-americanos, a quem perguntou sobre os benefícios ou desvantagens que poderiam produzir esse “degelo” entre Cuba e Estados Unidos, o Papa respondeu: “Todos dois ganharão e perderão alguma coisa. Porque uma negociação é assim. O que todos dois ganharão é a paz. Isto é certo. O encontro, a amizade e a colaboração, esse é o ganho!”.

Cuba_04Os bispos católicos cubanos. Recordando as visitas dos predecessores do Papa Francisco “que chegará como missionário da misericórdia”, e traçando uma continuidade espiritual entre as três visitas, a Conferência dos bispos católicos, em uma mensagem, dirige-se “aos filhos da Igreja Católica, aos irmãos de outras confissões religiosas, e a todo o nosso povo”. Menciona-se a recente Carta Pastoral do Papa, em preparação ao Ano da Misericórdia que se abrirá no próximo dia 8 de dezembro.  E os bispos exortam todos a prepararem-se à vinda do Papa fazendo “gestos de misericórdia na ação cotidiana, como visitar os doentes, compartilhar o que temos, perdoar e pedir perdão, consolar quem está triste, amar os outros mais e melhor. Esperamos – continuam – que estes dias, e sempre, as nossas casas sejam lugar de paz e de acolhida para todos os que estão buscando misericórdia!”. E convidam a “tomar iniciativas que predisponham os corações dos cubanos a escutar e acolher a mensagem de esperança e misericórdia que o Papa Francisco nos trará”. Um sinal positivo, que certamente não poderá passar despercebido, é a publicação integral desse documento, no dia 17 de julho, no “Granma”, principal jornal cubano e periódico oficial do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba. Um gesto semelhante não ocorria há mais de 50 anos.

A contribuição do Movimento dos Focolares. Pope_Cuba3Os membros dos Focolares, nas várias comunidades espalhadas pela Ilha, procuram dar – junto com a Igreja – a sua específica contribuição, orientada especialmente à formação das pessoas aos valores da fraternidade, contra a “cultura do descarte”, privilegiando os mais necessitados, promovendo a unidade na diversidade e propondo o diálogo como método indispensável para uma convivência pacífica, num país multicultural.

A mensagem dos bispos católicos aos cubanos conclui-se com a oração à “Virgem da Caridade, Mãe de Cuba, Aquela que invocamos também como Rainha e Mãe de Misericórdia”, a fim de que “tenha cuidados maternos sobre esta visita tão esperada; Ela que acompanhou o nosso povo nas horas boas e más, obtenha do céu uma grande benção para Cuba e os seus filhos, em qualquer lugar se encontrem, seja quais forem seus pensamentos e crenças”.

Do enviado, Gustavo Clariá
____________________________

[1] Dennys Castellano Mogena y Sergio L. Fontanella Monterrey, Sin pecado concebidas, La Caridad del Cobre en las artes visuales cubanas. Editorial UH, 2014, La Habana, pag. 66. (tradução do autor)

No comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *