No Equador e no Japão, geradores de esperança


«As estruturas físicas que desmoronaram – pontes, edifícios, casas… – são um convite a fazer sentir um terremoto também na nossa alma, com a pergunta: somos verdadeiros construtores de paz? Entendi que a dor serve para unir. Quero propor o desafio de que, nestes momentos difíceis, nos transformemos em geradores de esperança e otimismo, nos ajudemos a manter viva a fé». Escreve Isabel, compartilhando o seu estado de espírito no dia seguinte ao abalo sísmico que atingiu o seu país, o Equador, no dia 16 de abril passado, com um tremor de magnitude 7.8 da escala Richter. Os mortos confirmados até agora são 587, os feridos mais de 8 mil, e mais de 25 mil os desabrigados. Os números continuam a crescer e se estima que a reconstrução custará ao país bilhões de dólares. Para a emergência Equador, o Movimento dos Focolares ativou uma coleta de fundos, enquanto estão sendo avaliadas as modalidades de uma eventual intervenção em campo.

Foto: United Nations

Foto: United Nations

«Parti de carro de Fukuoka (no Kyushu, onde me encontro) para voltar a Kumamoto a fim de procurar a minha mãe e os parentes», conta padre Giovanni Kimura, originário da região japonesa mais atingida pelos três violentos abalos registrados entre os dias 14 e 16 de abril. «Uma viagem, que geralmente exige pouco mais de uma hora, durou meio dia. De fato, a rodovia não é transitável e os trens estão bloqueados». A mãe se encontra num centro de coletas para refugiados e outros parentes em outro centro de acolhida. Trata-se de quadras esportivas de escolas públicas onde dormem centenas de pessoas, todos juntos. A dificuldade mais séria foi a falta de água. Várias regiões da cidade ainda estão sem água, mas nos pontos de coleta, agora têm o mínimo necessário. A população teme sobretudo a possibilidade de que o Vulcão Aso, que se encontra entre a província de Kumamoto e a de Oita, possa explodir: atualmente saem nuvens de cinzas que chegam nas duas cidades». No Japão, foram 41 os mortos, e são mais de 100 mil os desabrigados, enquanto continuam, às centenas, os tremores de acomodação do terreno.

Os estudiosos de geofísica e vulcanologia se questionam sobre a correlação entre estes dois eventos. Entretanto, a sociedade civil e as autoridades – em ambos os países – se mobilizam para a reconstrução, o apoio às famílias das vítimas, as ajudas concretas.

Pela sua página no Facebook, os Jovens por um Mundo Unido do Equador, até poucos dias atrás envolvidos na preparação da Semana Mundo Unido (SMU) focada justamente no seu país, se fazem eco de toda a rede de ajudas em andamento: doação de sangue, recrutamento dos voluntários, lista das necessidades, difusão das contas correntes bancárias. «Dor, incerteza, angústia, medo, ruínas, e no meio de tudo isso, a pergunta: Eterno Pai, o que queres de nós? Como estamos construindo este “Caminho para a paz”? A nossa vida quotidiana fala de fraternidade?». É a experiência que os jovens, e cada membro da comunidade dos Focolares do Equador, estão fazendo: «Descobrir Deus como o Amor maior, para depois viver a frase do Evangelho “tudo o que fizestes ao menor dos meus irmãos, a mim o fizestes”. Neste momento se evidencia ao máximo a fraternidade, a solidariedade, o amor que supera as diferenças: rico, pobre, da oposição, do governo, branco, indígena, mestiço ou negro. Inclusive quem não sofreu danos sente como sua a dor dos outros: nas caixas de alimentos recolhidas, por exemplo, está escrito: “coragem, queremos bem a vocês”, nas dos medicamentos “força”, “conseguiremos”».

Os jovens decidiram realizar a SMU redobrando os esforços para aliviar a tragédia que vive o país. Estefânia escreve: «Devemos ir em frente, dar resposta a muitos que se sentem impotentes diante do desastre; agora entendemos que Deus nos preparou durante o ano inteiro, não tanto para a SMU quanto para enfrentar este momento, testemunhando o amor evangélico, para “fazer brilhar, sobre os escombros, a luz” do ideal da fraternidade», como lhes escreveu a presidente dos Focolares, Maria Voce.

Maria Chiara De Lorenzo

No comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *