Juntos conseguiremos


O empenho das crianças dos Focolares e dos seus animadores neste momento de emergência planetária. On line para eles também um novo site.

“Nestes dias devemos ficar em casa, mas temos um segredo para sermos igualmente felizes: amar. Então todas as manhãs jogamos o dado e fazemos o que ele diz”. Os gen 4, as crianças dos Focolares, não param: até em isolamento começam cada dia jogando “o dado do amor”, cujas faces lembram, cada uma, um ponto da arte de amar, e se empenham em vivê-lo.

Em algumas cidades os e as gen 4 fizeram cartazes e cartinhas envolvendo os pais para oferecer ajuda às pessoas idosas dos seus edifícios. “Ninguém nos pediu coisas concretas – escreveu uma mãe –, mas foi a ocasião para conhecer os vizinhos que nos telefonaram nos agradecendo muitíssimo”.

“Mas e se alguma criança no edifício não tiver tantos brinquedos como nós?” se perguntaram, no entanto, Niccolò e Margherita, gen4 italianos. Deste modo, deixaram uma caixa na entrada do condomínio deles com este cartaz: “Olá! Encontramos em casa alguns brinquedos que a nós não servem mais. Se quiserem podem pegá-los e não é preciso devolvê-los. Força!”.

E se “casa” nestes dias, poderia significar “limite”, em Roma se pensou em propor aos gen 4 que construíssem uma casinha de papelão na qual recolher os atos de amor deles. E enquanto bilhetes e desenhos lotam as casinhas, também os adultos aprendem das crianças que, neste isolamento, todos podemos lotar as casas, de pequenos atos de amor.

Os gen4 estão em todas as partes do mundo e, se esta pandemia atinge todos os países, lhes é natural fazer com que se sinta a solidariedade, sobretudo a quem vive onde se sofre mais. E eis a saudação em vídeo de dois gen 4 da Ásia que, mostrando o desenho de um arco-íris, gritam “Força, Itália” ou aquele de um país africano no qual encorajam todos com “Juntos conseguiremos”!

Ao lado das crianças, os animadores dos Focolares estão na linha de frente para acompanhá-los neste delicado período, do Brasil ao Congo muitas as ideias que estão sendo atuadas. De Bilbao (Espanha) escrevem: “Tivemos a ideia de realizar encontros com os gen 4 e as suas famílias, todas as semanas via web. Contamos uns aos outros como estamos vivendo esta nova situação, pondo em luz os atos de amor. Nós nos despedimos com o compromisso de rezar pela paz, pelos doentes, por todos os que sofrem”. Em Portugal, todos os domingos alguns adultos fazem um vídeo com uma pequena representação do Evangelho e o compartilham nas redes sociais.

Portanto, a rede está se revelando importante neste período também para eles. E justamente nestes dias o Centro gen4 internacional colocou on line um novo site (https://gen4.focolare.org/pt-br/), endereçado às crianças e aos seus educadores, enriquecido com materiais e percursos de formação para a espiritualidade dos Focolares, para esta faixa de idade. Um novo site em uma data significativa: precisamente no dia 29 de março de 1972 Chiara Lubich dava vida aos gen4 e às gen4, a mais jovem geração dos Focolares. Alguns anos depois, comparando o Movimento com uma grande árvore, os definiu “como os brotinhos de uma árvore. (…) Uma coisa preciosíssima, preciosíssima: é a segurança da árvore”[1].

                                                                                                                                                                            Anna Lisa Innocenti

[1] C. Lubich in: M. Bolkart e C. Heinsdorff, Chiara con i gen4, Città Nuova 2009, p.13.

1 Comment

  • Je trouve que c’est formidable de faire partager notre espérance de vie aux et avec les enfants mais je n’ose pas encore partager cela sur Facebook. Cela me pose question. On est dans un monde où on est obligé de cacher notre foi. On ne se permet pas l’évangélisation. Même pour moi, en famille, ce problème se pose également ayant un mari non croyant. Je ne peux pas affirmer mes convictions. Je n’en ai pas le droit par respect pour ceux qui rejette Jésus.

    • Deixe uma resposta

      O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *