O “algo a mais”


O seguinte pensamento de Chiara Lubich evidencia uma dimensão constitutiva de uma “espiritualidade de comunhão”: estar inseparavelmente ligados uns aos outros e, por esse motivo, também o dever de nos suportarmos. A pandemia do coronavírus nos faz tocar com as mãos a nossa interdependência de várias maneiras e também nos pede, na vida cotidiana, uma maior capacidade de suportar.

(…) Nós não devemos caminhar para Deus sozinhos, mas com os irmãos. Este é o “algo a mais” que possuímos. Devemos buscar a santidade junto com os irmãos. Em prática, temos que ajudar os nossos irmãos a alcançar a santidade da mesma forma que buscamos a nossa.

É um compromisso muito sério, do qual nos esquecemos com muita facilidade, mas que, para nós, é a condição indispensável para almejar também a nossa santidade. Aliás, somente se amarmos o irmão até este ponto é que poderemos esperar a presença de Jesus entre nós.

Qual é a melhor maneira para viver esse amor tão exigente para com os irmãos?

Existem várias, mas há uma que deve ser considerada com atenção, confirmada também pela minha longa experiência. Já falei sobre isso, mas é tão importante que vale a pena repetir.

A vida de comunidade, que nós procuramos conduzir de modo constante ou temporário, exige de nós que amemos constantemente os nossos irmãos, isto é, que nos “façamos um” com eles, sempre. E é o que procuramos fazer. Contudo, ainda que empregássemos nisso todas as forças, nem sempre conseguiríamos, porque ainda estamos neste mundo e, portanto, somos propensos a ter defeitos e imperfeições. Mais cedo ou mais tarde, algum de nós acaba errando.

O que fazer? Se fomos nós que deixamos de viver o amor fraterno, recomecemos logo a amar. Se, por acaso, foram os nossos irmãos que se comportaram assim, como devemos agir?

Posso garantir: é sábio escutar São Paulo que nos convida a suportar, porque suportar não é uma subespécie do amor; suportar é algo inerente à caridade, é um aspecto dela. De fato, segundo o Apóstolo, a caridade não só «tudo cobre, tudo crê, tudo espera», mas também tudo «suporta». Suportar é expressão do amor, da caridade. Se não se suporta, não se vive a caridade.

Chegará o momento de fazer notar ao irmão os seus erros. O Evangelho exige inclusive isso. (…).

E o fazemos só por amor. É claro que não seremos movidos, por exemplo, pela vontade de descontar finalmente alguma ofensa que os outros nos fizeram. Mas fazemos com o máximo amor que podemos ter, conscientes de que, no fundo, se o irmão melhorar, eu também serei beneficiado, porque nisso consiste a novidade do nosso itinerário espiritual: devo ajudar o irmão no caminho de sua perfeição, se quero alcançar a minha.

Estamos vinculados uns aos outros. Não temos saída.

Chiara Lubich

(em uma conexão telefônica, Rocca di Papa, 19 de junho de 2003)

 

4 Comments

  • Anch’io con voi nel vivere vivere vivere questa Parola con il di più della carità gettando tutto nella misericordia, in cordata …Rinnovo il patto d’unità buona giornata a tutti

  • “Noi, il fratello, Dio”: noi andiamo a Dio attraverso l’amore al fratello che bisogna amare con quella carità che “tutto copre, tutto crede, tutto spera e tutto sopporta”. Questa è la prima Parola di vita che ho cercato di vivere. Allora avevo 15 anni. Ma quanta poca pazienza con I fratelli! Mi sembra di dover ricominciare daccapo.

  • BUON GIORNO. PER METTERMI IN MODO PROFICUO AL COSPETTO DI DIO E AFFINCHE’ LA MIA PREGHIERA POSSA AVERE L’EFFETTO DOVUTO, CON ANIMO CONTRITO, CHIEDO PERDONO ALLE SORELLE ED AI FRATELLI PER I TORTI COMMESSI NEL PASSATO E ANCHE PER QUELLI CHE NELLA FRAGILITA’ UMANA POSSO INCIAMPARE. SENTO COSI’ UNA GRANDE SERENITA’ NELL’ANIMA CERTO DI PERDONARE ED ESSERE PERDONATO.

    • Soportar parece algo pasivo y no lo es. Decidir soportar por amor es amor en acción. Soportar y seguir adelante día tras día, año tras año. A veces aparece un cirineo, solo aveces. Y seguir hasta llegar a El.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *