Leste europeu e comunhão de bens: providência de Deus


Da comunidade dos Focolares na Croácia, Macedônia e Sérvia: onde se experimenta a alegria de dar gratuitamente para ajudar quem está em dificuldades

“A comunhão de bens que fazemos nasceu observando a comunidade cristã primitiva: vimos que faziam ali a comunhão de bens e, devido à comunhão de bens, não havia nenhum indigente (…). Então, esta é a fórmula, nós dizíamos: se todo mundo fizesse a comunhão de bens, os problemas sociais, os pobres, os famintos, os excluídos, etc. não existiriam mais.” Assim Chiara Lubich, fundadora do Movimento dos Focolares, ao lançar o projeto da Economia de Comunhão em 1991, contou como nasceu no Movimento a prática de fazer a comunhão de bens materiais e espirituais.

Em 1943, em Trento, a guerra havia destruído a cidade e muitos perderam suas casas, trabalho, alguns familiares. Diante a tanto desespero, à luz das palavras do Evangelho meditadas nos refúgios, Chiara e suas primeiras companheiras decidiram cuidar dos mais necessitados: “Tínhamos o objetivo de fazer a comunhão de bens no maior raio possível para resolver o problema social de Trento. Eu pensava: ‘há dois, três locais onde os pobres vivem… vamos lá, levemos nossas coisas, compartilhemos com eles’. Um raciocínio simples, ou seja: nós temos mais, eles têm menos; aumentaremos o nível de vida deles de modo tal que todos cheguem a uma certa igualdade”.

A oitenta anos de distância, a praxe da comunhão de bens é uma realidade sempre viva no Movimento. Cada um doa livremente segundo as próprias possibilidades, geralmente exprimindo a gratidão por ter recebido. As experiências se multiplicam pelo mundo.

Da Croácia, contam: “Fui comprar 10 kg de grãos para as minhas galinhas. O homem que me vendeu não quis o dinheiro. Dei o que economizei para a comunhão de bens extraordinária neste tempo de pandemia”. Claro que nem sempre pressupomos que os bens e dinheiro serão doados, mas o empenho reforça o valor do gesto: “Recentemente, vendi vinhos para um vizinho. Ele me deu mais dinheiro do que devia e não quis o troco. Dei para a comunhão de bens extraordinária, mas não foi fácil, tive de superar um modo de pensar humano”.

Por outro lado, é comum a experiência de receber depois de ter doado. É o “Dai e vos será dado” (Lc 6:38) evangélico que Chiara e as primeiras companheiras experimentaram concretamente.

Da Macedônia: “Ajudamos algumas famílias que ficaram sem trabalho devido à crise causada pela pandemia, doando comida, remédios e materiais escolares. Pequenas ajudas, mas uma delas me disse que agora teriam o que comer por duas semanas. Pouco depois, outra família fez uma doação que cobria os gastos. Tudo circulava”.

Também é comum a alegria de dar e aquela de receber.

Na Sérvia, a comunhão de bens chegou a uma família com filhos, cujos pai e mão ficaram doentes e desempregados. Vivem dos produtos de sua horta e, para pagar os boletos, Toni ajuda na paróquia. “Quando fomos levar o dinheiro, ele estava voltando para casa depois de ter pedido um empréstimo para comprar lenha. Explicamos de onde vinha a ajuda e ficaram comovidos porque sentiam que Deus havia ‘cuidado’ deles através de nós.”

A comunhão de bens, no fundo, não é senão um instrumento da providência de Deus.

Claudia Di Lorenzi

1 Comment

  • Merci beaucoup pour ces expériences. Après une telle lecture, c’est évident que quelque chose doit changer en moi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *