Conselhos de sabedoria

© Caris Mendez - CSC Audiovisivi


O evento que recordou Igino Giordani incluiu testemunhos da Presidente do Movimento dos Focolares, de pessoas que o conheceram e de outros que, mesmo não o tendo encontrado pessoalmente, recorrem hoje à riqueza dessa figura profunda e multifacetada.

“Ao me preparar para esse evento, lembrei-me com emoção de um dos momentos mais bonitos da minha vida. Era 1978 quando, ao fim de um congresso dos jovens do Movimento dos Focolares, juntamente com pessoas da minha idade, encontramos Igino Giordani em um parque.” A fala de Margaret Karram, Presidente do Movimento dos Focolares, durante o evento do dia 18 de abril de 2021 dedicado ao 41° aniversário da morte de Igino Giordani se iniciou com uma lembrança pessoal. “Haviam nos contado”, lembrou sobre aquele encontro em 1978 com Giordani, “que era uma grande personalidade, mas que para eles era simplesmente ‘Foco’. Era chamado assim por todos aqueles que tinham um carinho por ele. Era quem havia ajudado Chiara Lubich nos primeiros anos de vida do Movimento graças à sua rica experiência no campo cultural, religioso e político. Graças a ele, muitas pessoas conheceram o Ideal da unidade. Além disso, como era casado, abriu a estrada novíssima da consagração dos casados ao focolare”.

Na época, Margaret Karram estava com um grupo de meninas da Terra Santa e, ao se apresentarem a Giordani, viram seu rosto se iluminar. “A referência à Terra Santa lhe deu uma grande alegria”, explica, “e com um sorriso muito radiante, que ainda guardo na memória, e um olhar muito profundo, nos disse: ‘Lembrem-se de ser outra Maria!’. Aquelas palavras, poucas, porém essenciais”, continuou a Presidente, “ficaram marcadas na minha alma e mais tarde percebi o porquê: em seus estudos, Foco se concentrava muitas vezes nos acontecimentos e lugares onde Jesus nasceu e começou a pregar, como se quisesse descobrir os aspectos mais íntimos da vida da família de Nazaré para poder imitá-los”.

Esse encontro da lembrança de Karram ocorreu no parque do Centro Internacional do Movimento dos Focolares em Rocca di Papa (Roma, Itália), para onde Giordani havia se mudado para morar em um focolare nos últimos anos da sua vida, após ter ficado viúvo. Frequentemente, se sentava em um banco no jardim e quem estava passando por lá ou participando dos encontros internacionais, o cumprimentava e se sentava ao seu lado. “Reunimos muitos testemunhos sobre o que acontecia naquele banco”, continuou Margaret Karram. “Algumas jovens lhe falavam sobre suas dúvidas de fé, alguns pais lhe confidenciavam as dificuldades familiares, alguns profissionais lhe pediam conselhos sobre como conciliar a carreira com os comprometimentos morais, havia inclusive sacerdotes e religiosos que lhe pediam ajuda para amadurecer suas vocações. Igino escutava, compreendia e depois dava conselhos de sabedoria, muitas vezes decisivos para resolver os problemas das pessoas.”

Nesse evento dedicado a Giordani, após a fala da Presidente, seguiram-se muitos testemunhos de quem, quando criança, havia se sentado naquele banco e ainda hoje guarda como um tesouro a riqueza daquele colóquio com ele. Como Margarida Pereira da Silva, focolarina que mora em Portugal, Manoel Araujo, médico brasileiro, e Stanislao di Piazza, senador da República Italiana.

Quem também se sentou ao lado de Giordani quando era menino foi Peter Kostner, atualmente um artista conhecido em vários países europeus e autor de uma escultura colocada no jardim do Centro do Movimento dos Focolares que representa justamente Giordani sentado no banco vazio. “Se as pessoas que veem a escultura”, explica Kostner, “se sentarem ao seu lado, desejo que sejam encorajadas ou sintam a vontade de conhecer seu pensamento, sua vida e o que ele foi, e que tenham assim uma inspiração para a própria vida”.

Afinal, como alguns testemunharam durante o evento, ele continua suscitando um profundo interesse em âmbito acadêmico, inspirando, com a sua experiência e sabedoria profética, escolhas de vida pessoal e decisões corajosas no caminho à fraternidade e à paz no âmbito político, civil e social.

“Estou no começo do caminho político, portanto há tantas possibilidades de praticar o bem, mas também muitas dúvidas quando não estou bem seguro do que é justo ou não”, afirmou František Talíř, jovem vice-presidente do Governo Regional da Boêmia do Sul na República Tcheca. “Nesses momentos”, continuou, “frequentemente me recordo de Igino Giordani, rezo e peço uma ajuda a ele”. Como quando, depois de uma grande tensão vivida com um colega do governo, se perguntou o que Igino teria feito em seu lugar: “Depois de alguns dias, o convidei para tomar um café. E, apesar do nosso ponto de vista não ter mudado – ele sempre tem as suas verdades e eu, as minhas – conseguimos encontrar um modo de ir adiante. Acho que foi um pequeno milagre, talvez graças a Igino Giordani. Acredito que nessas situações – que, com certeza, sempre existirão – conseguiremos mudar o modo de fazer política”.

Anna Lisa Innocenti

1 Comment

  • merci de ce message; effectivement, il arrive souvent que je ne sois pas certaine de ce qui est juste… je prierai Foco afin que la sagesse m’éclaire !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *