Nunca esquecer: lembrando o 11 de setembro


A solidariedade compartilhada em 11 de setembro por católicos e muçulmanos em Indianápolis (EUA) continua.

Nos dias que se seguiram aos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, muitos muçulmanos americanos sofreram uma reação agressiva e às vezes violenta por parte de seus colegas americanos, porque os homens que sequestraram os aviões naquele dia eram extremistas muçulmanos.

O Centro Islâmico Nur-Allah em Indianápolis foi alvo de múltiplas ameaças de bombas nos dias sucessivos ao 11 de setembro. Assim, quando os muçulmanos do Centro se reuniram para rezar, na sexta-feira após os ataques, eles próprios sabiam que poderiam se tornar vítimas de um ataque.

Mas eles não estavam sozinhos.

Juntaram-se a eles naquele dia alguns de seus amigos católicos que eram membros do Movimento dos Focolares, um movimento internacional eclesial leigo que, entre outras coisas, promove maior unidade na família humana inteira. “Foi uma experiência muito emotiva”, disse David Shaheed, membro da Nur-Allah, que também atua como juiz do condado de Marion, desde 1996. “Eles sentiram-se ligados a nós. Eles sentiram que éramos amigos e vizinhos. Eles arriscaram suas vidas para estar conosco em um momento tão tumultuoso e assustador do ponto de vista histórico”. John Mundell, membro da paróquia São Pio X em 11 de setembro, fez parte do grupo dos Focolares que foi a Nur-Allah em 14 de setembro de 2001. “Essa experiência foi provavelmente um dos momentos mais sagrados da minha vida”, disse ele. “Quando entramos como um grupo e eles nos viram, você podia dizer pelo olhar em seus rostos que eles perceberam que o que tínhamos estabelecido era real. Não havia nada de falso ou superficial”.

Os membros dos Focolares sabiam que escolher ficar com seus amigos Nur-Allah após as ameaças de bomba contra seu Centro poderia colocar suas vidas em perigo. Mas a relação entre eles era suficientemente importante para que aceitassem esse risco.

“A nossa fé católica interpelou-nos para estarmos lá com eles”, disse Mundell, agora membro da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, em Indianápolis. “Esse foi o ponto onde os pneus encontraram a estrada. Por dentro, você sabe o que é correto fazer, mas depois você tem que dizer: ‘Sim, estamos fazendo isso’.

“Felizmente, não houve ataques naquele dia. Mas alguns membros do Nur-Allah apreciaram tanto a solidariedade demonstrada por seus amigos católicos que se uniram a eles para a missa dois dias depois na Igreja de São Pio X. “Foi um ato de amor mútuo”, disse Mundell. “Você os alcançava com amor e depois recebia este tipo de onda [de amor] de volta”. Era um sentimento sagrado. De alguma forma, havia a presença de Deus neste relacionamento que tínhamos estabelecido”.

Essa relação havia-se iniciado em 1997 e seguia o exemplo de Chiara Lubich, a fundadora italiana do Movimento dos Focolares, que havia conhecido e se aproximado de W.D. Muhammed, líder de um ramo do Islã nos Estados Unidos composto principalmente de negros americanos. Nos anos seguintes ao início do relacionamento em Indianápolis, membros do Focolare e Nur-Allah sediaram encontros de católicos e muçulmanos que atraíram pessoas de todo o Centro-Oeste do país. Um ocorreu em Indianápolis menos de dois meses antes do 11 de setembro. Mas os acontecimentos daquele dia rapidamente fizeram com que se estreitasse o relacionamento entre os dois grupos de maneiras que não poderiam imaginar.

“Há momentos em que Deus nos chama à unidade através da dor”, disse Michael Saahir, o imã residente de Nur-Allah. Para ele, esta é uma lição duradoura daquele 11 de setembro que ele teme que seja esquecida com o passar dos anos. “Demasiadas vezes, quando a dor diminui, nós esquecemos”, disse Saahir. “Temos a tendência de esquecer muito facilmente. Ou nem mesmo tomamos tempo para estudar as lições que vêm com ele. E a unidade da família humana é a principal”.

Nos últimos anos, os membros da Indianapolis Hearth se tornaram mais conscientes da dor sentida por seus amigos negros muçulmanos por causa de sua raça. “Não somos perfeitos como americanos, como católicos, em abraçar esta ideia de fraternidade e fraternidade universal”, disse Mundell. “Temos um longo caminho a percorrer. Há um aspecto racial que precisamos continuar a trabalhar e a ouvir”. Membros dos Focolares e do Nur-Allah estão trabalhando para garantir que as lições do 11 de setembro e outras sejam lembradas.

Nos meses e anos que se seguiram àquele dia, pessoas de ambas as comunidades de fé foram convidadas às paróquias em toda a arquidiocese e além e às universidades para falar sobre sua experiência e relacionamento inter-religioso. Quando Mundell começou a receber estes convites, ele começou também a reconhecer um significado para as simples conexões pessoais que haviam sido feitas com seus amigos muçulmanos em 1997. “Isso nos fez perceber a singularidade dessa relação e que ela não era mais destinada apenas a nós”, disse ele. “Foi feito para ser compartilhado com todos”. “As pessoas precisam ver um modelo ou um exemplo”, disse Saahir. “Agradeço que nossa relação com os Focolares seja um modelo, não apenas para muçulmanos e católicos, mas para qualquer pessoa que possa ver que isso é possível e tem uma longa vida útil”. Mundell e Saahir esperam que a longevidade do relacionamento entre suas duas comunidades continue na próxima geração”.

“É como transmitir a fé”, disse Mundell. “A próxima geração tem que assumir isso como algo próprio. Eles têm que ter sua própria experiência. Isto é algo que faremos para o resto de nossas vidas. As relações têm de ser continuamente renovadas e reconstruídas”.

Por Sean Gallagher para “The Criterion”, 3 de setembro de 2021

A serviço da Igreja em Indianápolis central e meridional (EUA) desde 1960

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *