Peru: Como em uma família


O testemunho de dois pais do norte do Peru, sobre como lidaram com a doença de sua filha, sustentados pelo amor de Deus e por uma grande família adquirida.

“Estávamos jantando quando percebi que nossa filha mais nova tinha um grande nódulo no pescoço”, disse Marisela, a mãe. O médico a examinou e o ultrassom mostrava um tumor de 5 cm. Ele nos aconselhou procurar o endocrinologista para averiguar melhor. O especialista solicitou uma biópsia, que infelizmente confirmou a presença de um tumor maligno com metástases. Era necessária uma ação imediata. Foi uma notícia muito forte, nenhum de nós esperava. Quando cheguei em casa, me tranquei no banheiro para desabafar e, chorando, perguntei a Deus o porquê daquele sofrimento.

“Para mim era uma provação, a operação era muito cara” – continuou Luis, o pai – “mas tentei não demonstrar a preocupação financeira a Marisela. Pediríamos um empréstimo para realizar a cirurgia que seria em Lima, a capital, mas onde nos hospedaríamos durante todo o período da cirurgia até a convalescença? Entramos em contato com os responsáveis do Movimento dos Focolares, do qual somos membros. Nosso Centro já estava ocupado por algumas famílias venezuelanas imigradas no Peru devido à difícil situação de seu país. Mas um religioso do Movimento naquela ocasião estava oferecendo uma casa para os hóspedes da congregação, assim ao sermos acolhidos, sentimos realmente a proximidade de Deus. Em Lima, o especialista em neoplasias, por segurança solicitou uma segunda biópsia e outros testes, mas esta última esperança também se extinguiu e o diagnóstico foi confirmado. Nossa filha irrompeu em lágrimas e o médico a consolou, assegurando-lhe que tudo correria bem”.

“A comunidade de Lima”, disse Marisela, “fez o possível para arrecadar e colocar à nossa disposição, uma soma em dinheiro, que foi suficiente para custear a operação. A loteria organizada por nossa filha mais velha cobriu as outras despesas. Na véspera da operação, Padre Nacho nos visitou, concedeu à nossa filha a unção dos enfermos e nos acompanhou até a clínica. Durante a operação, muitas pessoas rezaram pelo sucesso da operação. E assim foi!”

“Mais uma vez”, conclui Marisela, “constatamos o poder da oração e hoje somos muito gratos a esta grande família do Movimento dos Focolares pelo amor expresso de tantas maneiras e por não nos ter deixado sozinhos neste momento tão difícil”.

Coletado por Gustavo E. Clariá

4 Comments

  • Teresa DOLCISSIMA sono certa che non ti mancherà MAI la GRAZIA PER POTER PORTARE NEL CUORE questo GRANDE DOLORE MA trasformato in un messaggio d’amore verso tutti quelli che tu potrai incontrare ti abbraccio forte ❤️

  • Fuertísima experiencia!! Realmente cuando se construye la comunidad y ésta vive como una familia se obtienen milagros !!! Esta experiencia nos enseña a ser familia. Gracias por compartirla !!

  • Comme ça fait du bien de lire un élan de générosité auprès de cette famille. Même ça me remonte aussi le moral !

  • Anche io ho perso una figlia per un tumore al cervello che non le ha dato scampo è morta dopo 8 mesi …ci sono state preghiere comunitarie e individuali …forse le mie costanti preghiere non sono arrivate al cuore di gesu e della nostra madonna del Carmine e Dio l’ha presa con sé facendola nascere in paradiso e facendo nascere me come focolarina Dio mi sta dando pace e serenità ad andare avanti con un dolore immenso per la perdita della mia dolce figlia Stefania

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *