Uma onda excepcional de chuvas de monção, cinco vezes maior que a média, gerou uma das enchentes mais desastrosas do Paquistão em décadas. Uma verdadeira catástrofe que, apesar das enormes dificuldades, não amorteceu o desejo de muitas pessoas no terreno de agir concretamente em favor dos outros. Uma campanha de arrecadação de fundos também foi lançada pela Coordenação de Emergência do Movimento dos Focolares.

O que o Paquistão vive hoje é uma verdadeira emergência humanitária e sanitária. As chuvas das monções, também causadas pela mudança climática, que começaram a se desencadear já em meados de junho de 2022, puseram de joelhos um terço do país. Cerca de 33 milhões de pessoas, ou 15% da população total, foram deslocadas, mais de 1.500 pessoas morreram e mais de 700.000 casas foram destruídas. O perigo de doenças como a febre tifoide, cólera e dengue está crescendo a cada dia, e as necessidades estão se tornando mais urgentes.

A megalópole de Karachi, um dos lugares onde o Movimento dos Focolares está presente há algum tempo, não foi tão atingida como outros centros, que já são difíceis de alcançar em condições normais, como as províncias de Sindh, Punjab do Sul e Balucistão. No entanto, “os desabrigados também estão chegando aqui e estamos nos movendo para organizar ajuda nos campos de recepção”, dizem alguns membros dos Focolares. Além disso, muitos do Movimento, de várias idades e vocações, estão fazendo o que podem para responder como comunidade às necessidades mais urgentes, alguns até mesmo abrindo as portas de suas casas se necessário, como aconteceu com Abid, um jovem pai de família, que acolheu dezesseis muçulmanos que haviam perdido tudo no primeiro andar de sua casa.

A maior cidade afetada por esta inundação é Hyderabad. Matthew, um gen, um dos jovens locais do Movimento dos Focolares, escreve: “Agora a situação no centro da cidade é segura, mas os bairros próximos ao rio Indo ainda estão em perigo e algumas partes foram evacuadas. As próximas duas semanas serão muito difíceis”.

Nestes dias, o medo se mistura com uma consciência lúcida, gerando uma força interior, instintiva, que olha para o outro e, com coragem renovada, se mobiliza e se articula em rede.

“Como Jovens por um Mundo Unido, há alguns meses criamos um grupo chamado ‘O Espírito de Partilhar’, somos católicos e da Igreja Anglicana do Paquistão”, continua o irmão de Mathew, Hanan, “nos reunimos para fazer um plano, para descobrir o que e como ajudar. Você pode pensar que não podemos fazer muito ou que é muito pouco, mas dissemos uns aos outros que “todos podem dar algo, que devemos mover os corações”.

E assim foi que estes jovens, batendo em todas as portas de seu bairro, entrando nas lojas, arrecadaram cerca de 5000 rupias, enquanto outras 2000 rupias chegaram providencialmente em resposta a um panfleto compartilhado nas redes sociais. Um desejo de doar que, a partir de uma experiência de diálogo, se transformou em serviço e ação.

Entre as muitas pessoas em dificuldade, um dos grupos de maior risco nestas áreas são as comunidades nômades hindus: as barracas de “nossas famílias” estavam em uma planície. Com as inundações, as pessoas se refugiaram em uma parte elevada da terra que agora está cercada por água, é como se estivessem em uma ilha da qual não podem mais sair”, dizem alguns jovens pertencentes a estas comunidades.

Reunir-se em torno das pessoas afetadas e começar iniciativas de alívio e apoio direcionadas, especialmente ali, onde os recursos para fazê-lo são escassos, não é apenas um desejo, mas parece ser uma verdadeira prioridade para todos.

Em resposta a toda essa tristeza em Karachi, em um bairro bastante pobre na periferia da cidade, um pequeno grupo de gen instalou-se imediatamente: “Montamos um ponto de coleta pelo qual muitas pessoas passaram: algumas trouxeram comida, água ou roupas; outras deixaram dinheiro em uma caixa colocada na entrada”, diz Rizwan. “Vi que não havia muitas roupas para as crianças”, diz Soiana, “então comecei a costurar para elas, usando tecido que tinha sobrado do meu trabalho”.

Para contribuir com a Arrecadação de Fundos de Coordenação de Emergência do Movimento dos Focolares para o Paquistão, você pode fazer uma doação para:

Ação Jovens por um Mundo Unido ONLUS (AMU) Ação para Famílias Novas ONLUS (AFN)
IBAN: IT58S 05018 03200 000011204344

Banca Popolare Etica

IBAN: IT92J 05018 03200 000016978561

Banca Popolare Etica

Código SWIFT/BIC: ETICIT22XXX Código SWIFT/BIC: ETICIT22XXX
MOTIVO: Emergência Paquistão
As contribuições pagas nas duas contas correntes com este motivo serão administradas conjuntamente pela AMU e AFN.

Benefícios fiscais estão disponíveis para tais doações em muitos países da UE e em outros países ao redor do mundo, de acordo com diferentes regulamentações locais.

Os contribuintes italianos poderão obter retenções e deduções de sua renda, de acordo com os regulamentos para organizações sem fins lucrativos, até 10% de sua renda e com um limite de 70.000,00 euros por ano, excluindo doações feitas em dinheiro.

Maria Grazia Berretta

No comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.