Famílias: O contágio da solidariedade

 
Iniciativas de ajuda à infância carente. #objetivo15mil foi o desafio proposto em Roma, em conexão direta com outras cidades, por AFNonlus, associação que se fundamenta nos valores solidários das famílias dos Focolares.
4

20150608-03“No ano passado, uma menina de quase dois anos de idade, a quem eu quero muito bem, correu um grave risco de vida. Eu pensei que, porque havia nascido na Itália, recebera prontamente todos os tratamentos médicos e cirurgias, mas, se tivesse nascido em outro país com menos recursos, o que teria acontecido? E qual mérito ela tem para ter este privilégio? E as outras crianças não têm os mesmos direitos?”. Pensando assim Gabriela entrou em ação, organizando uma iniciativa para recolher fundos e para suscitar a sensibilidade em relação à infância desfavorecida, pedindo ao prefeito uma sede na praça principal da sua cidade, Marcignago di Pavia (norte da Itália), propagou a iniciativa também na sua paróquia, na diocese e na imprensa local. “Que resultados eu alcançarei, não tenho ideia – afirma – mas sei o motivo e para quem estou tomando esta iniciativa e isso é suficiente para esperar o máximo!”.

Este é um dos muitos testemunhos de pessoas que apoiam e que se empenharam pela campanha #objetivo15mil de AFN onlus, inaugurada no dia 24 de maio, em Roma, na sede de Città dell’Altra Economia. O objetivo – explica Andrea Turati, presidente da Associação – “é dar visibilidade ao que já fazemos por meio de programas que garantem alimento, assistência médica e instrução a 15 mil crianças, beneficiadas por uma centena de projetos em andamento em 50 países e incrementar o nosso empenho, contagiando muitas pessoas com o vírus da solidariedade”. As iniciativas de solidariedade se multiplicaram em muitas cidades italianas e em alguns projetos sociais em andamento no mundo inteiro que, por meio de conexões, apresentaram as próprias atividades: centros com ambulatórios, creches, escolas de ensino fundamental e atividades extraescolares, nas quais são oferecidas às crianças e adolescentes uma adequada alimentação, cursos escolares, aulas de reforço e de orientação profissional, consultas e tratamentos médicos. Esses programas se inserem em ações mais amplas, com a colaboração de parcerias nacionais e internacionais, a favor de famílias e inteiras comunidades, para alcançar a autonomia e o bem-estar global das crianças.

“Também nós queremos contribuir com a solidariedade”, nos disse Youn Vera que, graças ao apoio à distância, frequenta a escola fundamental no Colégio Gue Pascal, em Man, Costa do Marfim. “Para ajudar quatro colegas de classe, doentes e necessitados de tratamento, tivemos a idéia de fazer e cuidar de uma horta, com verduras e espinafre.”

“A ajuda à distância é uma ação que faz bem, primeiramente a nós mesmos, e não somente a quem a recebe, porque nos faz crescer, nos coloca em contato com pessoas e culturas diferentes, ajuda a redescobrir o valor da sobriedade e cria a comunidade”, afirmou Vincenzo Curatola, presidente do FórumSad, que reúne uma centena de associações em todo o território italiano. Cita-se como exemplo Guido e Azzurra que, junto a outros adolescentes de alguns bairros romanos, explicam como há quase dois anos fundaram uma associação com a qual desenvolvem várias atividades em favor dos outros. “A experiência mais forte, vivemos nas Filipinas, para responder com AFNonlus a emergência logo após o tufão Hayan. Hóspedes dos Focolares, nos inserimos em uma situação que estamos habituados a ver somente pela televisão e que são distantes. Viver tais situações, cotidianamente, transformou o nosso modo de pensar. Além disso, decidimos nos empenhar, a longo prazo, na ajuda à distância a uma menina que usa cadeira de rodas: Princess, com aquele sorriso, nos parece uma estrela brilhante!”.

Giusy, que mora nas proximidades de Pisa, nos contou que um pequeno grupo de Famílias Novas, dos Focolares, aos poucos, envolveu toda a sua cidade, a administração municipal e cerca 300 famílias.

“A iniciativa começou junto a um colega de trabalho, há 20 anos – nos conta Massimo Grossi, da RCS Corriere della Sera – e envolveu mais de 250 jornalistas e polígrafos. Reunindo muitas pequenas cotas, conseguimos atingir o suficiente para 50 ajudas à distância, para crianças na Ásia e na África: muitas pequenas contribuições reunidas, esta é a nossa iniciativa e a nossa força.”

Regras(500)

 

Qualificações

  1. Federica

    Grazie per la giornata speciale che abbiamo passato tutti insieme, come una famiglia impegnata nel perseguire un obiettivo, tanto importante quanto naturale, quello di aiutare tanti e tanti bambini del mondo ad essere liberi di sognare e di scegliere la propria vita.
    Quello che per noi può essere scontato, non lo è affatto per troppe persone.
    Federica

    Responder
  2. gabriella

    Che bella condivisione! Mi ha fatto un certo effetto rileggere da qui la mia esperienza…. posso solo dire che questo contagio non può “colpire” una volta sola o…spot…deve modificare il nostro dna. E quello che spero accada qui a Marcignago. Grazie

    Responder
    • Rosa

      E’ vero! siamo stati tutti un po’ contagiati e quel che vale ora è che non cessi la condivisione che ci aiuti a restare in tale ottica. Grazie mille!!!

      Responder
    • Giovanna Pieroni

      Grazie a te Gabriella… perché ci credi… fino in fondo!

      Responder

Veja também