O Evangelho, que Chiara e suas primeiras companheiras liam nos refúgios antiaéreos, era uma descoberta contínua, no fundo era um livro que antes elas não conheciam, ninguém jamais havia falado naqueles termos. «Jesus age sempre como Deus. Pelo pouco que damos nos preenche de dons. Estamos sós, e nos vemos cercados por milhares de mães, pais, irmãos, irmãs, e carregados de todos os bens que se podem imaginar, para depois distribuí-los a quem não tem nada».

A experiência fazia consolidar a convicção de que não existe nenhuma problemática humana que não encontre uma resposta, explícita ou implícita, naquele pequeno livro que traz palavras do céu.

As pessoas que aderiam ao movimento que estava nascendo adentravam e se nutriam delas, era uma reevangelização, experimentava-se que o que Jesus dizia e prometia se realizava, pontualmente.

Chiara escreveu: «A guerra continuava, os bombardeios prosseguiam. Os refúgios não eram seguros suficientemente e podíamos nos encontrar logo diante de Deus. Tudo isso fazia com que no nosso coração surgisse um desejo, o de colocar em prática, naqueles momentos que poderiam ser os últimos da nossa vida, aquele que fosse o maior desejo de Jesus. Então nos lembramos do mandamento que Ele chama seu e novo: “Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros como eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos seus amigos” (Jo 15, 12-13)».

A descoberta do “mandamento novo” as inflamou a tal ponto que o amor recíproco tornou-se como a sua “veste”, o próprio modo de ser. Era aquele amor que atraía pessoas de toda idade e classe social. Amar-se reciprocamente não era uma opção, mas um modo de viver e de se apresentar ao mundo.

«Dizíamos que Jesus era como um imigrante que traz da própria terra os seus usos e costumes. Ao nos dar o “seu” mandamento, trouxe para a terra a lei do céu, que é o amor entre os Três, na Santíssima Trindade. Olhamos umas às outras e decidimos: “Eu quero estar pronta a morrer por você, e eu por você”. Todas, umas pelas outras.

Mas se devíamos estar prontas a dar a vida era lógico que, enquanto isso, precisava responder às muitas exigências que o amor fraterno solicitava, era preciso partilhar as alegrias, os sofrimentos, os poucos bens, as próprias experiências espirituais. Esforçamo-nos em viver assim, para que o amor recíproco reinasse entre nós, antes de qualquer outra coisa.

«Um dia, no primeiro focolare, tiramos do armário as coisas que tínhamos, poucas e pobres, e as amontoamos no meio do quarto, para depois dar a cada uma o que lhe servia, e o restante aos pobres. Dispostas a colocar em comum o salário e todos os pequenos e grandes bens que tínhamos ou poderíamos vir a ter. Inclusive os bens espirituais. Até mesmo o desejo da santidade tinha sido posposto na única escolha, Deus, que excluía qualquer outro objetivo, mas incluía, obviamente, a santidade que ele havia previsto para nós.

E quando, pelas imperfeições que todas possuíamos, surgiram as óbvias dificuldades, decidimos não nos ver com o olhar humano – que descobre a palha no olho do outro, esquecido da própria trave – mas com o olhar que tudo perdoa e esquece. E sentimos que o perdão recíproco era um dever, para imitar Deus misericordioso, tanto que entre nós propusemos uma espécie de voto de misericórdia, isto é, cada manhã, ao levantar, víamo-nos como pessoas “novas”, que nunca haviam caído naqueles defeitos».

Fatos de vida

Jovens: transforma o teu m2

Jovens: transforma o teu m2

América Central: no lugar da violência metropolitana Jaime e os seus amigos propõem percursos de paz; Tuong, jovem professora vietnamita, ensina às crianças a arte de amar evangélica. Pequenas levas de mudança social.

[ler tudo]
A potência do amor que cura

A potência do amor que cura

A experiência de um casal, da Austrália, com o filho agoraphobic e a namorada dele que sofre de toxicomania. Entre angústia e suspensões, o amor incondicionado e perseverante como suporte aos tratamentos especializados.

[ler tudo]
A paz na Síria é possível

A paz na Síria é possível

2

Enquanto a Caritas Internacional lança uma grande campanha de sensibilização, apoiada em primeira pessoa pelo papa Francisco, 230 pessoas dos Focolares se reúnem em Al Btar, na Síria, para viver, depois de cinco anos, a experiência da Mariápolis. Um oásis de paz para recomeçar. #PeacePossibile4Syria

[ler tudo]

Artigos

PERÚ: há dois meses debaixo de água

2
PERÚ: há dois meses debaixo de água

Uma emergência, que se esperava acontecesse no ano anterior, explodiu agora. Chuvas torrenciais nunca vistas. Uma centena de pessoas mortas e desaparecidas, milhares de casas destruídas. A solidariedade vence!

[ler tudo]

Aurelio Lagorio

2
Aurelio Lagorio

“Tendo-se tornado perfeito em breve tempo, realizou as obras de uma longa vida” (Sb. 4,13). (28.06.1946 – 28.03.1968)

[ler tudo]

Quarenta dias na Síria

1
Quarenta dias na Síria

Trechos da experiência de um sacerdote suíço junto a uma comunidade síria católica de rito oriental. A presença do Ressuscitado no meio dos sofrimentos da guerra. Viver a fraternidade na noite da guerra.

[ler tudo]
12345...»